Palmeiras, uma queda sem fim

Antero Greco

25 de novembro de 2010 | 02h32

A eliminação na Sul-Americana diante do Goiás entristeceu o torcedor do Palmeiras, mas não é novidade. O time acostumou-se, nas últimas décadas, a dar vexames, sobretudo em casa e diante de adversários teoricamente mais frágeis. De Campeonato Paulista a Copa do Brasil, de Brasileiro à falecida Conmebol, os fracassos se acumulam e mostram a fragilidade de um clube que tem história riquíssima e que há muito perdeu o caminho da grandeza.

Os tropeços começam nos anos 1970, ao final da era da Academia 2. Em 1978, deixou escapar o tri nacional para o Guarani, do então jovenzinho Careca. Anos mais tarde (em 85),  conseguiu ser eliminado no Parque Antártica, no Campeonato Paulista, ao perder para o XV de Jaú por 3 a 2, quando precisava vencer. No ano seguinte, foi surpreendido pela Internacional de Limeira, na final do torneio regional, disputada no Morumbi. Então, já vivia jejum de títulos.

Em plena era Parmalat, viu-se eliminado da Copa do Brasil, em 93, pelo Ceará – e em casa. Nessa competição, perdeu uma final para o Cruzeiro e amargou desclassificações diante de ASA de Arapiraca, Ipatinga, Santo André, Vitória (com direito a surra de 7 a 2, em 2003). O Palmeiras tem em seu currículo um dos episódios mais incríveis em decisões: na Taça Conmebol de 2000, ganhava do Vasco por 3 a 0, no primeiro tempo, e permitiu a virada, até os 4 a 3 finais. No ano passado, abriu vantagem enorme, na arrancada do título do Brasileiro, mas despencou a ponto de ficar fora da Libertadores.

O Palmeiras chegou à semifinal da edição de 2010 da Sul-Americana graças sobretudo à pontaria mortal de Marcos Assunção e de um esquema defensivo mais rígido. Nesta quarta-feira, Assunção não foi o santo salvador de outras jornadas, o meio-campo sumiu e a defesa falhou em dois lances decisivos. Os 2 a 1 entram para essa antologia, cada vez mais ampla, de insucessos de um time que outrora impunha respeito, a começar pela cartolagem. O Palmeiras de hoje é sombra e caricatura de si mesmo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.