Palmeiras: vitória na raça e ânimo para a Libertadores

Antero Greco

07 de abril de 2013 | 21h15

Já faz algum tempo que não ligo importância para os Estaduais. E afirmo isso com tristeza, porque sou da geração que se apegou ao futebol com os duelos regionais. Relevo, portanto, muito de bom e de ruim que ocorre nestas competições moribundas.

Ressalvas à parte, gostei do comportamento do Palmeiras no jogo com a Ponte Preta, neste domingo,em Campinas. Arapaziada do Gilson Kleina é limitada. Em situação normal, ou em tempos mais gloriosos, muitos desses boleiros não estariam no elenco. Mas não se pode negar que os moços têm mostrado dedicação.

Você vai dizer que seriedade no trabalho é obrigação de qualquer um. Concordo. Mas o futebol, que tem muito de arte, também carrega características próprias. Vale, portanto, o elogio para um grupo que se mostra empenhado em participar do processo de reação do clube. Tem meu respeito quem não cai fora de um barco aparentemente à deriva.

Kleina continua com parcas alternativas para montar na equipe – quanto mais para modificá-la durante os jogos. Vai de feijão com arroz mesmo e a falta de tempero eu credito sempre para os dirigentes. Eles é que têm a chave do cofre, não o treinador. Se as finanças vão mal, também cabe cobrar deles. Sei, sei, a cúpula de agora é nova, é preciso dar um tempo, o rombo é enorme, etc e tal.

O jogo com a Ponte foi equilibrado, acelerado no primeiro tempo e mais morno no segundo. O Palmeiras ganhou fôlego com o gol de Tiago Real aos 3 minutos e deu uma esfriada com o empate (Ramirez aos 42). O nó foi desfeito com Leandro, aos 27 da etapa final. O rapaz deu prova de seriedade ao entrar em campo 24 horas depois de ter defendido a seleção,em Santa Cruzdela Sierra(e fez um gol por lá também).

O Palmeiras derrubou o último invicto do Paulistão e ganha fôlego para o duelo decisivo com o Libertad, no meio da semana, pela Libertadores. Sem se deixar levar pela euforia, o torcedor palestrino pode pelo menos ter esperança. E vai demonstrá-la indo em peso ao Pacaembu. Vai que o time despacha os paraguaios?…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.