Pirlo, ou a arte de desestabilizar o rival

Antero Greco

24 de junho de 2012 | 20h44

Futebol é jogo coletivo, e nele tática e conjunto contam. Isso a gente está cansado de saber. Mas o talento individual pesa, e como! A experiência, o estalo de genialidade, o atrevimento de um jogador podem definir uma partida, uma classificação, uma final.

O lampejo de arte quem teve neste domingo foi Andrea Pirlo, meio-campo da Itália. O veterano frequentador da Azzurra contribui para o sucesso de sua equipe na hora de cobrar o pênalti que lhe cabia na sequência decisiva contra a Inglaterra.

Pirlo era o terceiro batedor e a Itália estava em desvantagem de 2 a 1, pois Balottelli havia acertado e Montolivo tinha mandado para fora, enquanto Gerrard e Rooney não desperdiçaram as chances deles. Na maior cara de pau, Pirlo tocou de leve, de cavadinha, para desconcertar Hart. Gol de empate.

Mais do que isso, foi gol para desconcentrar os ingleses, para desmoralizar. A tevê mostrou o técnico Cesare Prandelli com cara de orgulho e susto. Pirlo voltou festejado por seus companheiros. Daí era a vez de Young bater e…. no travessão. A primeira parte da estratégia deu certo, o britânico acusou o golpe.

Então, Nocerino mandou ver o seu chute, marcou e a Itália saltou à frente: 3 a 2. Cole se aproximou com enorme responsabilidade, correu, chutou e Buffon defendeu. Pânico no English Team. Pânico que virou desolação, porque Diamanti cobrou o último e fez 4 a 2.

A Itália se classificou, depois de 120 minutos de 0 a 0, depois de jogar melhor do que a Inglaterra, de criar mais, de chutar muito mais a gol, e depois do susto do erro de Montolivo. Mas se garantiu porque tinha Pirlo como o divisor nos pênaltis. E porque tem história e camisa que pesam demais.

Agora, fará com a Alemanha o segundo maior clássico do futebol mundial. Como é?! O primeiro? Brasil x Argentina, sempre. Na sequência vêm Brasil x Itália, Argentina x Itália, Brasil x Alemanha e Argentina x Alemanha. Ou seja, são as quatro grandes escolas. No caso europeu, uma das duas vai para mais uma final.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: