Ponte e Lusa, as pedras no caminho de Santos e São Paulo?

Antero Greco

17 de abril de 2011 | 19h03

A primeira fase do Campeonato Paulista terminou. Até que enfim! Nas quatro primeiras colocações faz tempo que não havia margem para surpresas. O que se definiu, apenas, foi a situação de cada um, com São Paulo a puxa a fila, seguido de Palmeiras, Corinthians e Santos.

As vagas de Ponte, Mirassol e Oeste eram bolas cantadas por aquilo que vinham fazendo. O São Caetano é que se deu mal ao perder em casa para o Linense por 2 a 0. Melhor para a Lusa, que tomou o lugar do Azulão, com o 1 a 0 sobre o São Bernardo em cima da hora.

Se der a lógica, o quarteto principal segue adiante, o que só confirmará a mesmice da competição paulista, aliás uma das mais sem graça dos últimos anos. Mas vejo na Ponte e na Lusa dois focos para surpresas, para eventual azar de Santos e São Paulo, seus respectivos adversários nas quartas de final, a serem disputadas em jogos únicos.

A Ponte mostrou força neste domingo, ao bater o Palmeiras de virada por 2 a 1, depois do susto com o frango engolido pelo goleiro Bruno. Mas o então líder foi apenas uma de suas vítimas entre os grandes. Antes, a Macaca havia feito 1 a 0 no Corinthians e no São Paulo, além de 3 a 1 na Lusa, fora o empate por 2 a 2 com o Santos. Por ironia, perdeu para Oeste e Mirassol, ambos por 2 a 1. É um time ajustado, que pode complicar e chegar à final, como aconteceu em 2008, quando foi derrotado pelo Palmeiras.

A Lusa oscila e entrou na bacia das almas. Mas justamente por isso ganha moral, confiança e mais do que nunca é franco-atiradora. O São Paulo, que já levou surra histórica da Lusa no Paulista, que se cuide, pois é quem tem a perder. Não vejo Oeste e Mirassol em condições de afastar Palmeiras e Corinthians. Se isso acontecer, é zebra mesmo

Tudo o que sabemos sobre:

Campeonato PaulistaLusaPonte Preta

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.