Palmeiras bate Cruzeiro em noite azul

Antero Greco

20 de agosto de 2015 | 00h32

 

O Palmeiras é verde, até bebezinho de um dia sabe. Mas nem sempre. Na noite desta quarta-feira, vestiu camisa azul para enfrentar o Cruzeiro, de branco e azul, e se deu bem: ganhou por 2 a 1, no primeiro duelo entre ambos, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. Placar justo no duelo de azuis, apertado, que mantém a disputada vaga aberta e sem favorito para o tira-teima no Mineirão.

O clássico dos Palestras esteve aquém da partida que fizeram, dias atrás, em BH pelo Campeonato Brasileiro. No primeiro tempo, os palmeirenses deram a impressão de que apertariam o rival pra valer, como pareceu no gol marcado aos 8 minutos por Cleiton Xavier, uma das surpresas de Marcelo Oliveira, que ainda colocou Zé Roberto e Lucas Barrios desde o início.

Engano. Com a vantagem, o Palmeiras cometeu erro semelhante ao de outras ocasiões: diminuiu a velocidade, estagnou, cadenciou. Para tanto, é preciso ter excelente controle e domínio do jogo. Não foi o que aconteceu. Para complicar-se, Arouca sentiu contusão e saiu. O Cruzeiro notou o recuo, foi à frente, pressionou, mas também falhou.

O Cruzeiro voltou um pouco melhor no segundo tempo, empatou com Leandro Damião aos 4 e colocou pressão sobre o Palmeiras e acendeu sinal amarelo no Allianz Parque. O nó foi desfeito com o gol de Rafael Marques, que havia entrado no lugar de Arouca.  O Cruzeiro esteve perto do empate no final, o que não seria injusto, pois tentou mais do que o Palmeiras.

Briga aberta, como se previa, e algumas ponderações.  Marcelo Oliveira consegue manejar bem o elenco, apesar de lutar com contusões de jogadores importantes como Gabriel (fora do restante da temporada) e Arouca, dúvida para o jogo com o Galo pelo Brasileiro. O Cruzeiro continua a oscilar, o que coloca ponto de interrogação a respeito da possibilidade de anular a vantagem verde na volta.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: