Ponte renasce. Qual a saída para o Flu?

Antero Greco

19 de setembro de 2015 | 23h34

O Fluminense brinca com fogo. Mais uma vez. Parece que não aprende com os sustos que leva e flerta com a parte de baixo do Brasileiro. No returno, em oito rodadas, acumula um empate e sete derrotas – a mais recente agora há pouco, no final da noite de sábado, nos 3 a 1 para a Ponte Preta, em Campinas.

O tricolor tem 34 pontos e vê a turma do sufoco aproximar-se. Os campineiros venceram três em seguida e saltaram para 37 pontos. Um alívio e tanto, para quem andava com medo do rebaixamento até uma semana atrás. Oscilações de um campeonato pra lá de maluco e empolgante.

A Ponte repetiu a dose do jogo com o Santos, no domingo pela manhã: bastou-lhe primeiro tempo impecável e implacável para liquidar com a missão. O veterano Borges abriu a conta aos 7, Fernando Bob (pênalti) aumentou aos 26 e Marlon (contra), aos 40, garantiram a vantagem. Scarpa diminuiu no comecinho do primeiro tempo, e só.

A Ponte jogou o básico, segundo plano traçado por Doriva. E o que vem a ser isso: marcação forte, velocidade nos contragolpes e defesa bem firme. Borges e Diego Oliveira, na frente, infernizaram a zaga tricolor. No segundo tempo, cansaram e deram lugar para Keno e Alexandre, mas quando o resultado não corria risco de ser modificado.

O estreante técnico Eduardo Baptista não mexeu muito em relação aos sucessores, embora tenha deixado Marcos Júnior como opção no banco (depois entrou). Também recorreu a Ronaldinho Gaúcho, que saiu da reserva para campo, para ver se ajudava pelo menos a chegar ao empate. O astro foi mais apagado do que a Lua em eclipse. Não fez nada, a não ser toquinhos e cobranças de falta. Como passou em branco Fred.

O Fluminense decepciona a cada apresentação. Para sua sorte, ao menos até agora, teve um período produtivo, na largada do Brasileiro. Por isso, continua em posição intermediária. A gordura, no entanto, está perto do fim. Se mantiver essa ladeira abaixo, logo baterá desespero maior do que aquele que levou a três mudanças de treinador…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: