Palmeiras perde chance contra o Inter no Sul

Antero Greco

23 de setembro de 2015 | 22h16

O prognóstico era de jogo equilibrado entre Internacional e Palmeiras, pelas quartas de final da Copa do Brasil. No placar, pelo menos a previsão prevaleceu, com o empate de 1 a 1 e a definição da vaga para a quarta que vem no Allianz Parque. Na prática, os palestrinos poderiam ter voltado pra casa com vantagem, se Barrios não desperdiçasse pênalti.

Como duelo entre equipes que se equivalem, não sobressaiu ninguém. O primeiro tempo foi morno, com poucas finalizações de lado a lado. O segundo foi bem melhor, com os dois gols e um Palmeiras mais esperto do que o Colorado. Os paulistas estiveram mais perto da vitória do que os gaúchos.

A suposta vitória da turma de Marcelo Oliveira poderia ter começado na etapa inicial, depois que Ernani fez pênalti em Dudu. O paraguaio Barrios, em alta e com vários gols nas últimas partidas, se apresentou para bater. Chutou colocado e Alisson fez excelente defesa.

O Inter sentiu ausência de jogadores como D’Alessandro, Lisandro Lopes, Rafael Moura, Sasha. O técnico Argel Fuchs armou a equipe de maneira mais cautelosa, embora fosse a mandante. O temor era levar gols do melhor ataque do Campeonato Brasileiro. Nesse aspecto, se deu bem, porque o Palmeiras não teve muita liberdade para jogar.

Ainda assim, com o retorno de Dudu a turma de Marcelo Oliveira se mostrou mais serena e coordenada. Desta vez, foram raros os erros defensivos e ainda assim Fernando Prass apareceu ao menos em dois lances para evitar o gol. Só não pegou a bomba de Alex, no segundo tempo, na abertura do placar.

Marcelo Oliveira apostou em Amaral como substituto de Thiago Santos e no trio Dudu, Barrios e Gabriel Jesus à frente. Não funcionou muito bem. A mudança palmeirense veio com a entrada de Cristaldo no lugar de Barrios e principalmente Rafael Marques na vaga de Arouca. Na primeira bola, Rafael empatou, com um bonito gol de cabeça. O Palmeiras mandou uma bola na trave com Gabriel Jesus, que ainda reclamou de pênalti em dividida com Alisson.

A disputa continua aberta, sem favoritismo. Claro que não se deve descartar vantagem teórica do Palmeiras por jogar a segunda em casa e com a necessidade de empate por 0 a 0. Pelas características dos dois times, e com o Inter provavelmente mais forte na semana que vem, em branco é que o placar não ficará.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: