Que o futebol do Grêmio reapareça na Libertadores

Antero Greco

25 de abril de 2011 | 22h12

O Grêmio começou a participação na Taça Libertadores deste ano muito bem. Nos duelos preliminares, empatou com o Liverpool por 2 a 2 no Uruguai e depois venceu por 3 a 1 em casa. Na estreia na fase de grupos, passou fácil pelo Oriente Petrolero por 3 a 0 no Olímpico. Deu a impressão de que embalaria, mas em seguida teve algumas derrapadas até garantir a classificação em segundo lugar no Grupo 2, com dez pontos, num total de três vitórias, duas derrotas e um empate. Retrospecto aquém do esperado.

Agora, começa nova fase, em que há apertada margem de manobra. Não pode permitir-se, por exemplo, derrotas como os 3 a 0 para o Oriente Petrolero na rodada final da outra etapa. Como ficou na segunda colocação, faz o jogo de ida como mandante, nesta terça-feira, às 19h30, contra o Universidad Catolica, e decide sua sorte no dia 4 (antes seria no dia 3 de maio, mas o clube gaúcho consegui adiamento), no Chile. La U. Catolica fechou o Grupo 1 na liderança, mas com 11 pontos, ou seja, só um a mais do que o Grêmio obteve.

A oscilação foi prejudicial ao Grêmio, se não para a classificação – a chave, afinal, não era das mais fortes – pelo menos para sua autoconfiança. A equipe bicampeã continental tem muito mais a apresentar, pelo elenco que possui, e em alguns momentos ficou no débito. O técnico Renato Gaúcho sabe disse, promete astral diferente para os jogos com a U. Catolica e pede ajuda do torcedor. A ponto de sugerir que “drible o patrão”, dê um perdido no emprego e saia mais cedo para não faltar ao compromisso no Olímpico.

Renato, porém, terá baixas. As mais importantes são as do goleiro Victor e de Lúcio, contundidos, além de Rodolfo, que cumpre suspensão. André Lima está fora de forma. O time mais provável terá Marcelo; Gabriel, Rafael Marques, Neuton e Gilson; Rochemback, Adilson, William Magrão e Douglas; Leandro e Borges.

Prevejo dificuldades, como é a tendência a partir do mata-mata. Mas dá para obter vantagem confortável, desde que seja incisivo como nas apresentações iniciais na competição. Não sei se o torcedor tricolor deva faltar ao emprego. Sei que o que deve estar presente ao estádio é o bom futebol do Grêmio. Caso contrário, de pouco valerá o esforço de seus fãs.

Tudo o que sabemos sobre:

GrêmioTaça LibertadoresU. Catolica

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.