Que volte o velho Ganso, sem polêmicas nem contusões

Antero Greco

20 de setembro de 2012 | 19h56

Que Ganso ia embora era sabido e mais do que esperado. Fazia tempo que não estava mais à vontade no Santos. Entre uma contusão e outra, o desempenho dentro de campo era muito aquém daquele que o torcedor se acostumou a ver. Dispersivo, lento, apático. Por isso, deixou no ar muitas interrogações a respeito do futuro da carreira. Até espaço na seleção perdeu.

Pois acho que agora Ganso ressurgirá. Os períodos de afastamento têm a ver também com a cabeça. Ele se desgastou muito com a batalha longa travada entre seus representantes (o grupo DIS) e a diretoria do Santos. A entidade que o representa bateu de frente com a administração Luiz Álvaro, e isso mexeu com o rapaz. O corpo padeceu as consequências.

É de lamentar a forma como ocorreu a saída. Ganso despontou como o grande representante da nova geração do Santos. Ao lado de Neymar, evidentemente. Em torno de ambos se construiu uma equipe  de futebol criativo, envolvente. A perspectiva era a de que por bom tempo se tornasse referência no meio-campo. Bateu asas antes do esperado.

Por isso, o torcedor se aborreceu e, em sua última aparição na Vila, saiu de campo sob protestos, xingamentos, moedas atiradas contra si. Não merecia isso, mas teve participação na ira dos fãs por deixar-se envolver no jogo de interesses. E porque constantemente, mesmo quando estava em convalescença, reclamava da falta de um plano de carreira. A diretoria retrucava, alegando que ele é quem recusava as ofertas.

Agora, isso é passado. Ganso terá vida nova no São Paulo, que ganhará em qualidade com a chegada dele. Ney Franco tem uma esplêndida opção para compor o time. Extraordinária, desde que não se machuque e que fique no Morumbi por bom tempo. Hora, por exemplo, de os tais investidores darem uma acalmada na volúpia de vê-lo a jogar no Exterior.

Tudo o que sabemos sobre:

GansoNey FrancoSantosSão Paulo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: