Rio Grande sai da mesmice, com final entre “pequenos”

Antero Greco

27 de fevereiro de 2012 | 01h30

Quem disse que não há novidade nos Estaduais? No Rio Grande do Sul, tem. Internacional e Grêmio, dois gigantes históricos, ficaram fora da decisão do primeiro turno do Gauchão. A Taça Piratini será decidida entre Caxias e Novo Hamburgo. Uma decepção para as maiores torcidas do Sul, mas que não deixa de ser interessante por quebrar a rotina e por servir de alerta para os dois bichos-papões. Na melhor das hipóteses, um deles disputará o título.

O Inter saiu da briga no meio da semana, ao perder para o Grêmio, que teve Vanderlei Luxemburgo a observar das arquibancadas. O profexô estreou neste domingo e saiu de campo decepcionado, já que seu time cedeu empate ao Caxias aos 40 do segundo tempo (Marcos Paulo) e quase tomou a virada aos 43. Kleber havia feito o gol do tricolor. Nos pênaltis, a derrota por 5 a 4, já que Marco Antonio errou a cobrança dele.

Dizer que o Grêmio caiu por culpa de Luxemburgo é injusto. Tão injusto quanto aplaudir o técnico, caso a equipe tivesse passado adiante. Com três treinamentos apenas, não se pode dizer que mudou a cara do time que esteve até dias atrás sob comando de Caio Júnior. Assim como não o estragou. Fica a advertência para Luxa: treinar time com forte apelo popular como o Grêmio exige eficiência. A sorte dele é que o Inter ficou fora. Mas tem o segundo turno…

O Novo Hamburgo também se garantiu com vitória, mas no tempo normal e por 3 a 2 diante do Juventude. Uma final diferente, que terá os favoritos de sempre apenas como torcedores e a imaginar o que fazer para garantir uma boquinha na segunda metade da competição. Estaduais são vistos de esguelha por muita gente, mas ainda mexem com emoção e o humor de torcedores. A turma do Sul que o diga.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.