Romário crítico: terá sido tudo ilusão passageira?

Antero Greco

16 de dezembro de 2011 | 20h41

Romário começou vacilante, no que se refere a Copa do Mundo no Brasil. Depois, como nos tempos de goleador, ganhou ritmo de jogo e passou a pegar pesado com a cartolagem. Suas cobranças destoaram do tom oficialista que, aos poucos, se espalha pelo país e se impregna em todos os setores. Com língua afiada, o deputado ganhou mais simpatia, já que o cabeça da organização tem enorme rejeição popular.

Romário nesta sexta-feira reuniu-se, no Rio, por duas horas com o dono da bola e com Ronaldo, convocado recentemente para ser a cara light do evento. Saiu com discurso mais suave, admitiu que a presença do Fenômeno será importante para garantir transparência à preparação do torneio e alegou ter ficado feliz de saber de coisas que até então desconhecia. Conversa leve. Ok, deputado.

Desconfio que, à medida que se aproximar a Copa, as vozes críticas vão minguar e serão cada vez mais esporádicas, isoladas e discriminadas.

Viva o Brasil!

Tudo o que sabemos sobre:

Copa do Mundo 2014RomárioRonaldo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: