Salve, salve! O São Paulo vive no Brasileiro

Antero Greco

19 de agosto de 2012 | 01h19

O jogo com a Ponte Preta seria na base do vai ou racha para o São Paulo. E foi. O time de Ney Franco fez atuação decente, no embalo de sábado à noite, no Morumbi, venceu por 3 a 0, foi a 28 pontos e se mantém vivo no Campeonato Brasileiro. A diferença ainda é grande, para Atlético-MG e Flu, que estão na dianteira com 39, mas serviu para aliviar a tensão no tricolor. Afinal, com o resultado interrompeu sequência de três jogos com derrotas.

O São Paulo teve postura firme do começo ao fim. A Ponte resistiu quase 20 minutos, até o pênalti cometido por Roger que Rogério Ceni transformou no primeiro gol. Com a cobrança impecável, o goleiro deu um bico na trapalhada da partida anterior, quando fez um gol contra na derrota por 3 a 0 para o Náutico, fora de casa.

A vantagem abriu a guarda da Ponte e o segundo gol, aos 26, veio como consequência natural. E um belo gol marcado por Lucas, o destaque do jogo. O meia-atacante arrancou bem a seu estilo – e que não se viu na seleção brasileira – para aumentar a vantagem e mostrar que vale a pena correr o risco de escalá-lo até o fim da temporada, mesmo já negociado com o PSG.

A diferença deu estabilidade ao São Paulo, que ainda criou chance de ir para o intervalo com placar mais folgado. A Ponte assustou uma ou outra vez com Roger, no segundo tempo, mas nada que abalasse. Lucas saiu aos 15 minutos, foi substituído por Osvaldo, que fechou a conta aos 42, também numa bonita jogada individual. Um golaço, candidato por enquanto a ser dos mais bonitos da penúltima rodada.

A vitória faz o São Paulo respirar e teve um aspecto curioso. Ney Franco e jogadores admitiram que, horas antes do jogo, o presidente Juvenal Juvêncio foi convidado a dar uma palestra motivacional. As palavras do dirigente, segundo os subordinados, tiveram efeito positivo, encorajador. Ah, certo. Então, está descoberto o caminho para as vitórias: daqui em diante, basta “convidar” o cartola que as vitórias estarão garantida.

Tão simples e ninguém tinha se dado conta disso ainda? Cada explicação que arrumam…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.