Santos desanimador; o Vasco vislumbra reação

Antero Greco

14 de agosto de 2013 | 22h16

O Santos não consegue superar o efeito Barcelona. Desde a desastrada viagem-relâmpago à Espanha, há duas semanas, não sente mais o gosto da vitória. Empacou, ou melhor, só empatou: 1 a 1 com o Corinthians, 0 a 0 com o Cruzeiro e na noite desta quarta-feira ficou no 1 a 1 com o Vasco, ao levar gol em cima da hora.

Não se pode dizer que falta vontade ao Santos. Justiça se faça: a rapaziada corre, se entrega, até cria chances, como nos primeiros 20 minutos diante dos vascaínos. Mas começa a sentir o peso dos tropeços – bate o nervosismo e se acumulam os erros. Daí, a permitir reação adversária, é um passo. Tanto que o Vasco, no final das contas, foi o time que desperdiçou mais oportunidades para marcar.

Parece que a moçada de Claudinei Oliveira vive de lampejos, de soluços de bom futebol. Como em alguns momentos na etapa final, em que chegou à vantagem, com gol de Edu Dracena. Ou em boas jogadas de Montillo, que se destaca do marasmo generalizado. Como isso não é suficiente, tomou o castigo poucos segundos antes do apito final, no gol de Rafael Vaz aos 46 minutos.

O mais fácil é dizer que foi resultado justo. Só que não foi. O Vasco, mesmo com limitações, está mais consistente do que o Santos e subiu um degrau na classificação, com os 19 pontos ganhos. Aos poucos, Dorival Júnior acerta as peças de que dispõe.

O Santos, que tinha reagido em julho, depois de largada ruim, voltou a se desorientar. Se continuar nesse ritmo, vai achar interessante cumprir papel de coadjuvante, já a partir da virada do turno. No cenário mais desastrado, deverá ficar esperto para não parar logo na zona de rebaixamento. Ou seja: as escolhas não são animadoras.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: