Santos vai incomodar no returno

Antero Greco

24 de agosto de 2011 | 23h25

O Santos voltou ao Brasileiro. Depois de férias prolongadas, o tricampeão da  Libertadores se reencontra no torneio nacional. A campanha está muito aquém do que se imaginava, mas já não é tão ridícula a ponto de deixá-lo no Z-4, a turma do sai de baixo. Os 2 a 1 sobre o Fluminense, na noite desta quarta-feira, são prova de que o time de Muricy Ramalho vai incomodar no returno. Não para brigar pelo título, mas para terminar no bloco principal, como lhe é de direito.

O Santos que se apresentou na Vila esteve próximo daquele conjunto seguro e confiante que conquistou a América em junho. O toque de bola foi mais eficiente e jogadores importantes renderam o suficiente para desequilibrar. Casos de Arouca e o artilheiro Borges. Incluiria nessa lista também o veterano Leo, o goleiro Rafael e Elano, que saiu machucado no segundo tempo.

Pode não ter sido um Santos a mil por hora, mas foi veloz na medida exata para envolver o Flu em diversos momentos. Por ironia, porém, ficou em vantagem em cobrança de falta, com Elano a levantar a bola pela direita e Borges mergulhou para marcar, aos 13 minutos. O empate veio de jeito semelhante: cobrança de Marquinho, aos 38, também do lado direito do ataque do Flu, e Rafael Moura sozinho entre os zagueiros para desviar de cabeça.

Como tudo aconteceu no primeiro tempo, Borges recolocou o time na frente, aos 41 minutos, num contra-ataque rápido que terminou com chute certeiro. Foi o 12.º gol dele na competição. A segunda etapa foi mais cadenciada, Abel fez algumas modificações (uma delas, Rafael Sobis, no lugar do apagado Fred), mas o máximo que conseguiu foram duas finalizações que morreram em defesas seguras de Rafael.

Esse jogo valeu pela oitava rodada e o Santos ainda tem de recuperar o clássico com o Grêmio. Dá pra pensar em percurso animado na segunda parte da Série A. O Flu precisa definir o que quer da vida, porque tem oscilado muito. Está com jeito de que não passa de figurante neste ano.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.