São Paulo caiu só por erro de Lucão?

Antero Greco

14 de fevereiro de 2016 | 22h50

Amigo são-paulino. Você está convencido mesmo, pra valer, que seu time perdeu para o Corinthians por causa de falha do Lucão no primeiro gol? Tem certeza de que esse lance selou o destino do clássico? Ou será que, dessa forma, você encontra consolo para o resultado ruim?

Vamos falar um pouco a respeito disso.

Lucão errou feio na jogada – com dois chutes tortos, o primeiro pegou no Mena e o segundo foi um passe espetacular para Lucca abrir o placar. O rapaz achou que o Dênis estava na jogada e receberia a bola, para despachá-la em seguida. Calculou mal, não olhou direito para trás. Mais tarde, atrasou errado de novo; mas, dessa vez, Dênis deu um bico pra longe.

Ok, o zagueiro foi desastrado. Daí a concentrar nele os 2 a 0 vai distância e embute reações antigas. Uma delas é a necessidade de termos heróis e vilões no futebol. Na partida deste domingo, no Itaquerão, o papel principal ficou para Cássio, com duas defesas bacanas, enquanto a parte do malvado foi para Lucão. Isso ajuda nas manchetes e nas mesas-redondas.

Mas, pense comigo: até o momento do gol o São Paulo jogava bem? Era superior ao Corinthians? Ameaça o rival? Pressionava, ia pra cima, dava calor em Cássio? Ou, ao contrário, era confuso, sem ousadia, pouco criativo, num repeteco do que fez no ano passado?

Fico com a segunda parte. O São Paulo estava previsível, travado e sem graça. Não despencou por causa do gol na falha de Lucão. E, se estivesse bem, teria forças para sair da desvantagem, superar a mancada individual, e não o fez. Tem mais: no segundo gol, quem pulou errado foi o Ganso. Ora, por que não dizer também que, com falha de Ganso, o São Paulo perdeu?

Não quero aliviar pra jogador nenhum. Só me preocupam os rótulos que se dão no futebol. Lucão pode não ser craque, mas jogar na conta dele uma apresentação ruim é simplista e desvia o foco principal. E outra: o que jogaram Michel Bastos, Ganso, Hudson, Centuriòn, Calleri, Mena e companhia?

O São Paulo foi um desastre e não ruiu por causa, apenas, de Lucão.

Veja bem: escrevi “foi” um desastre e não “é” um desastre. Ainda há muito caminho para a recuperação. Edgardo Bauza terá trabalho – e vamos ver se terá, também, atrevimento. Nos jogos até agora o São Paulo é muito comportadinho, sem nada de diferente.

 

Tendências: