São Paulo, com Muricy, correu mais. E ganhou

Antero Greco

13 de setembro de 2013 | 01h02

Gosto de futebol vistoso e vitórias bonitas. Questão de estética e bom senso. Mas reconheço que, em algumas circunstâncias, times precisam ganhar a qualquer custo, feita a ressalva de não valem botinadas e gols roubados – nem o papo de meio a zero. Um a zero até que passa.

Nessa categoria inclui-se, no momento, o São Paulo. A draga em que o tricolor anda metido no Brasileiro é tamanha que o placar magrinho serve como tábua de salvação. Foi o que ocorreu na noite desta quinta-feira, no jogo com a Ponte Preta. Encontro de duas equipes paulistas no fundo da tabela e assustados com a ameaça de rebaixamento.

Sobrou para o pessoal de Campinas, na reestreia de Muricy Ramalho num Morumbi com muita gente, mas sem a lotação total apregoada na véspera. O São Paulo, sob novo/velho comando, não mudou muito em relação ao que apresentava com Ney Franco ou Paulo Autuori.

Nem poderia ser diferente, pois Muricy deu apenas dois treinos e mexeu em algumas coisas. Uma delas o aproveitamento, surpreendente, de Caramelo, lateral de 19 anos e que andava só completando time nos bate-bolas. O rapaz se saiu bem e a camisa não lhe pesou.

Espera aí: o São Paulo teve uma melhora, sim: foi mais compacto, rápido (no primeiro tempo, pois no segundo caiu) e chutou a gol. O que não acontecia com frequência nos últimos tempos. De tanto insistir, e de testar a resistência e os reflexos do goleiro Roberto, chegou à vantagem, com gol único e decisivo de Luis Fabiano, no início da etapa final.

Gol que teve o detalhe, importante, da participação de Ganso. O meia tem sido uma das peças apagadas do São Paulo e dessa vez se mostrou ligado. Bom sinal. Sob a orientação de Muricy ele teve atuações marcantes no Santos em 2011. Quem sabe seja outro a ressurgir?

O São Paulo trata de recuperar-se em campo e no astral. Deu o primeiro passo. Faltam muitos para livrar-se da Série B e terminar o ano em condição mais condizente com sua história. E a Ponte, com 15 pontos, deve iniciar planejamento para a Divisão de Acesso em 2014.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: