São Paulo e a vitória para levantar moral

Antero Greco

20 de outubro de 2013 | 23h42

Tem vitória que serve para levantar astral. Como a que o São Paulo conseguiu sobre o Bahia, na tarde deste domingo, em Salvador. Foi apenas 1 a 0, mas valeu por uma goleada, pelas circunstâncias, que incluem gol anulado e dois jogadores expulsos. Muita adrenalina para um time que luta para espantar de vez o fantasma do rebaixamento. Parece que agora consegue.

O duelo de tricolores não foi espetacular. Aliás, seria bem normal, não fossem decisões polêmicas da arbitragem. Sandro Meira Ricci não confirmou gol de Paulo Miranda, ainda no 0 a 0, sob a alegação de falta em Marcelo Lomba. Não concordo; o zagueiro chegou antes do que o goleiro e tocou a bola para as redes. De sola ou não, pouco importa.

Depois, o juiz deu vermelho para Denilson por entrada dura em William Barbio – e aí o São Paulo já vencia por 1 a 0, num belo gol de Aloisio. Sua senhoria foi rigoroso, mas o volante foi estapafúrdio para a dividida. Mereceu a punição mais pela trapalhada do que por eventual mal causado ao adversário. Tanto que Barbio continuou em campo e só saiu, na etapa final, por opção do técnico Cristovão Borges.

Meira Ricci foi exagerado em outro vermelho, dessa vez para Maicon, já perto do fim. O volante do São Paulo reclamou, após entrada dura, levou amarelo e fez alguma ironia para o juiz. Pra quê?!?! Chuveiro, ora onde já se viu?! O princípio de autoridade não pode jamais ser menosprezado. É mais sagrado do que preservar a integradade dos rivais.

E foi por esses episódios que o placar se tornou dramático para os são-paulinos. Os últimos minutos foram de intensa adrenalina, com a turma de Muricy fechada atrás a sofrer pressão. Mas aperto descontrolado, sem qualidade. O Bahia não teve competência para empatar, e era o mínimo que o torcedor desejava àquela altura.

Por isso, as equipes saíram de campo com ânimo distinto. O São Paulo passa a acredita em recuperação total até o fim do Brasileiro. O Bahia continua a rondar a zona da degola.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.