São Paulo enfim reage. O Flu preocupa

Antero Greco

25 de agosto de 2013 | 22h52

A gente mete bronca na fase ruim do São Paulo. O que faz sentido. Time com a história dele não pode passar 12 rodadas sem vencer no Brasileiro. E, pior ainda, ficar na zona de rebaixamento, mesmo com a vitória neste domingo.

Mas, se tem outro tricolor que merece uma dura, é o Fluminense. O campeão brasileiro não encontra modo de se ajeitar: é um tal de ganha, empata, perde de doer. Não é à toa que se aproxima da zona de rebaixamento. Nem há meio de fixar um padrão de jogo.

O clássico na tarde deste domingo no Morumbi mostrou duas equipes ainda pouco confiáveis. O São Paulo teve o mérito de correr, suar, pressionar acima da média do que tem feito ultimamente na Série A. Esteve mais ajustado. O Flu carece de definição, de esquema claro e eficiente. Além disso, se ressente da ausência de Fred, o principal ponto de referência. Nem falo de Deco, que vive no departamento médico.

O público respondeu ao apelo do São Paulo e foi em peso ao estádio. Pra ver um duelo médio, que valeu mais pelo espírito de luta do pessoal da casa. A turma de Paulo Autuori resolveu o placar no primeiro tempo, ao envolver o Flu e marcar, com Luis Fabiano e Reinaldo. A diferença foi tirada por Eduardo quase no fim do jogo.

Luis Fabiano, Rodrigo Caio e Ganso foram destaques do São Paulo. O atacante enfernizou, como sempre, se bem que tomou terceiro amarelo por bobagem e desfalca o time. Rodrigo esteve bem na defesa e Ganso teve desempenho bom. No Flu, ninguém, e o “professor” Vanderlei Luxemburgo pode ficar preocupado.

O São Paulo saiu de campo com a sensação de que tem potencial pra subir. O Flu foi embora com a impressão de que tem potencial pra descer. E esse talvez seja o resumo do encontro de tricolores.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.