São Paulo nega fogo. Melhor para Corinthians e Fla

Antero Greco

14 de agosto de 2011 | 02h25

O Brasileiro pode ter um monte de defeitos, mas não padece de monotonia e previsibilidade. O São Paulo era favorito diante do Atlético-PR, na noite deste sábado. Afinal, jogava em casa, contra um rival na zona de degola. E, acima de tudo, uma vitória daria a liderança ao tricolor. Quadro perfeito para uma festa no Morumbi.

  No fim das contas, o anfitrião se satisfez com empate de 2 a 2 arrancado em cima da hora, com gol do veterano Rivaldo, que só entrou no segundo tempo. Um pontinho, a permanência na terceira colocação e uma nova chance para Corinthians e Fla abrirem alguma folga na ponta, desde que façam sua parte neste domingo, Dia dos Pais.

 Adilson Batista surpreendeu ao colocar Ilsinho na meia, em vez de Rivaldo. A alegação era de que o craque de 39 anos estava desgastado após a exibição contra o Ceará, em Fortaleza. O São Paulo de novo enroscou-se diante de rival com boa marcação e levou sustos ao ficar duas vezes em desvantagem. A primeira, com o gol de Fransérgio aos 20 minutos da etapa inicial (Ilsinho empatou aos 24). A outra, com o gol de Edgar Júnior aos 32 do segundo tempo, em contra-ataque iniciado depois de uma bola na trave mandada por Dagoberto.

 O São Paulo continua a gangorra que o deixa no bloco principal, porém impede que retorne à ponta, como no início do campeonato. É time instável, e continua a ser incógnita sua capacidade para brigar pelo título. O negócio agora é torcer por tropeços de Corinthians (recebe o Ceará no Pacaembu) e Fla (que visita o Figueirense em Florianópolis). Sei não, mas não são enormes as chances de a ‘secação’ tricolor da resultado.

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.