São Paulo sem graça no Morumbi vazio

Antero Greco

28 Agosto 2016 | 19h46

Imagino como devam estar felizes os valentões que no sábado invadiram o CT do São Paulo para ameaçar e agredir jogadores. O resultado da violência dos estrategistas do caos se viu na tarde deste domingo, no empate por 0 a 0 com o Coritiba. O time mostrou futebol insosso, contido e pouco eficiente. Para arquibancadas vazias no Morumbi.

Ricardo Gomes escalou Michel Bastos, um dos mais visados nos protestos. Carlinhos e Wesley, outros na ira dos descontentes, esquentaram banco. Michel sumiu no meio-campo, assim como Hudson, Thiago Mendes, Cueva e Kelvin. A turma não funcionou. Na frente, Chavez fez o que pôde, perdeu uma chance no primeiro tempo e criou outra na segunda fase.

A compensação fica para a defesa. O argentino Buffarini e o chileno Mena ocuparam as laterais. E, pelo visto, o treinador desistiu de Bruno e Carlinhos, antes os preferidos. Lyanco jogou na vaga de Rodrigo Caio, machucado. Denis trabalhou menos do que o habitual, pela opção do Coritiba em defender-se antes de mais nada. O Coxa veio para garantir ao menos o empate, e fiou feliz.

Para não dizer que tudo foi ruim, o São Paulo até esteve ligeiramente mais ativo do que em outras ocasiões. Ainda assim, muito aquém do necessário para sair da situação incômoda de coadjuvante no campeonato. Com 28 pontos, circula pela 11, 12.ª colocações. E tem de dar graças a Deus que todo mundo anda roubando pontos de todo mundo. Senão, estaria perto da degola.

O próximo desafio é o Palmeiras, no dia 7, no Allianz. Vale lembrar que o jogo será com torcida única. No caso, a verde.