São Paulo x Inter, duelo sem monotonia

Antero Greco

22 de maio de 2016 | 18h46

Até o público foi bom, na tarde deste domingo, no Morumbi: quase 20 mil assistiram à derrota do São Paulo por 2 a 1 para o Inter, na segunda rodada do Brasileiro. Jogo aceitável, com chances para os dois lados, boa presença de Danilo Fernandes, substituto de Allison no gol colorado.

O São Paulo foi a campo com força máxima, como manda o figurino, agora que se classificou para as semifinais da Libertadores. O técnico Edgardo Bauza percebeu que a melhor maneira de manter a moral da tropa é entrar com tudo na Série A. Na semana passada, houve vitória na estreia – 1 a 0 no Botafogo com os reservas.

Hora, então, de mandar os titulares para a luta. A turma sentiu o desgaste provocado pelo jogo com o Atlético-MG (derrota por 2 a 1, mas vaga na mão). Ainda assim, não fez papel feio. Calleri, Ganso & Cia criaram o suficiente para no mínimo arrancar empate. O Inter, que não veio para garantir um ponto, devolveu na mesma moeda.

Daí o clássico que, se não foi extraordinário, também não arrancou bocejos.

O Inter se valeu da pontaria e da colocação de Eduardo Sasha, o nome do jogo, com um gol em cada tempo. Ele abriu o marcador aos 36 da etapa inicial e fechou aos 43 do segundo tempo, dois minutos depois de Lugano ter empatado.

Numa competição que tem tudo, de novo, para ser equilibrada – não necessariamente de alto nível -, Inter e São Paulo podem cumprir boa trajetória. Desde que mantenham a toada deste domingo.

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.