Só amarelo para Neymar agita vitória indolente do Santos

Antero Greco

18 de novembro de 2012 | 00h07

Mas tem cada uma que acontece com o Neymar nesta temporada! Ele passou mais tempo com a seleção do que com o Santos, durante o Brasileiro, por causa de compromissos com a seleção. Daí participa de jogo sem importância nenhuma (o deste sábado com o Figueirense), toma amarelo bobo e desfalca a equipe no clássico com o Corinthians na próxima rodada.

Ok, o duelo regional também não vai alterar a vida nem de santistas nem de corintianos. Mas conta a rivalidade local. Além disso, com Neymar em campo o Santos fica muito mais forte e, de tabela, vira teste bom para o rival, na fase de preparação para o Mundial. E, sempre é bom lembrar, Neymar é atração adicional sempre que está em campo.

O lance que o tirou da penúltima apresentação alvinegra em 2012 veio aos 25 minutos do segundo tempo. Ele partia com a bola dominada, foi calçado, caiu, pediu pênalti e irritou Cláudio Francisco Lima e Silva. O árbitro não só ignorou a reclamação do astro como lhe mostrou cartão por simulação. E com isso o obrigou a descanso forçado.

O episódio foi das poucas coisas mais relevantes em um jogo para cumprir tabela. O Santos não sobe nem desce significativamente na classificação geral. A Libertadores, o objetivo que ainda lhe restava semanas atrás, virou fumaça. Para o Figueirense tratou-se de mais um capítulo na despedida da elite. Tanto que foram muitos os reservas escalados.

A vitória foi construída com facilidade, num jogo até arrastado na Vila Belmiro. Felipe Anderson fez a jogada do primeiro gol, que Pato Rodriguez concluiu, aos 43 minutos da etapa inicial. Depois, foi o próprio Felipe Anderson quem aumentou a diferença, aos 18 da fase final: 2 a 0. Os jogadores dos dois times já estão em fase pré-férias. Pior para os torcedores.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.