Só o Fluminense tinha a perder na semifinal no Rio. E perdeu.

Antero Greco

19 de fevereiro de 2011 | 19h54

Estou até agora tentando entender o que aconteceu com o Fluminense, na semifinal do primeiro turno do Estadual do Rio. Avaliei diversas hipóteses e só consigo atribuir a eliminação do campeão brasileiro, no duelo com o Boavista, justamente à diferença entre os dois times. O mais famoso (e favorito) tinha tudo a perder – e perdeu. O outro era franco-atirador, estava no lucro e só fez aumentar sua vantagem com a vitória nos pênaltis.

Por mais ranzinza que o Muricy Ramalho tivesse se mostrado, na véspera da partida, o Flu entrou em campo certo de que iria para a final. O técnico havia alertado, na sexta-feira, que esperava um Boavista animado – e sua previsão foi um presságio e não lugar-comum. Pois a equipe de Saquarema jogou sem pressão e sem pressa, transferiu ansiedade para o Flu e se deu bem.

O Fluminense achou que faria o resultado que quisesse aos 8 minutos, com o gol de falta de Marquinho. Levou susto três minutos mais tarde, com gol de falta de Tony. O empate mexeu com Fred, Conca & Cia. O tricolor se coçou, foi à frente, criou chances e, após muito insistir, fez 2 a 1 com o Fred, aos 37 minutos, também em lance que começou com cobrança de falta. O centroavante titular sentiu dores na perna no intervalo e foi substituído por Souza.

O novo susto para o Flu veio aos 9 minutos da etapa final, com André Luís, no gol de 2 a 2. Bateu nervosismo nos campeões nacionais, que tiveram chances, com Conca, Souza e Rafael Moura, mas se viram obrigados a ir para a decisão nos pênaltis. No primeiro, Conca errou. No quarto, foi a vez de Rodriguinho falhar. Os jogadores do Boavista capricharam na pontaria e venceram por 4 a 2. Hoje, assistem de camarote ao duelo entre Fla e Botafogo.

O Fluminense precisa fazer um bom exame de consciência, já que derrapou na estreia na Libertadores e agora é surpreendido por um pequeno no torneio doméstico. Como gosta de dizer o Muricy, a bola pune. Quando quer, ela é marvada que só… Principalmente com time mais badalado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.