SP atropela o Vasco

Antero Greco

24 de setembro de 2015 | 00h35

O Vasco melhorou no Brasileiro, nas últimas rodadas, e passou a sonhar com a salvação, depois de três vitórias e um empate.  Imaginou que essa fase de reação pudesse repetir-se na Copa do Brasil. Portanto, entrou animado para enfrentar o São Paulo, no Morumbi, na noite desta quarta-feira. Enganou-se: perdeu por 3 a 0 e viu transformar-se em microscópica a chance de seguir adiante.

O São Paulo com a formação próxima do ideal foi aquele que Juan Carlos Osorio mandou a campo, depois de dar folga para vários titulares no fim de semana.  Arriscou contra o Avaí, perdeu, mas com a explicação de que estava de olho na outra competição. A escolha deu certo, e o time, mais descansado, controlou qualquer pretensão vascaína de aprontar alguma surpresa.

A superioridade se transformou em gols, ainda no primeiro tempo. E gols de Alexandre Pato, o destaque tricolor no ano, sobretudo após a chegada de Osorio. No primeiro, chutou forte, de fora da área, aos 25 minutos. No segundo, aproveitou rebote depois de arremate de Luís Fabiano, aos 36. Duas jogadas que bastaram para revelar a diferença entre os dois times. E vantagem que definiu o duelo.

O São Paulo sustentou o ritmo no segundo tempo. O meio-campo inusitado, com Breno, Thiago Mendes, Ganso, Michel  Bastos controlou o Vasco, blindou a defesa e deixou Pato e Luís Fabiano à vontade. Tanto que Fabigol deixou a marca dele, ao fechar a conta aos 30 minutos. Pouco depois, se machucou, ao bater o peito no chão, saiu do estádio para o hospital, para exames.

O Vasco teve uma, apenas uma chance, de marcar, numa cabeçada de Julio Santos que Rogério Ceni defendeu. E nada além disso. O time empolgado com o ligeiro ressurgimento no Brasileiro deve tirar de seus planos a Copa do Brasil. A diferença tricolor é ampla. Só será anulada na base de muita bobagem tricolor ou de uma sequência de milagres de são Januário.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.