Sport no buraco. Ponte Preta no G-4

Antero Greco

10 de julho de 2016 | 00h08

Bom a torcida do Sport ficar alerta. A situação está delicada, perto do calamitoso, e ao menos nesta rodada a equipe continuará na zona de rebaixamento. A fase anda complicada e piorou na noite deste sábado com a derrota por 2 a 1, de virada, para a Ponte Preta. Terceira em seguida. Diego Souza, Durval e companheiros permanecem na 18.ª posição – e podem ir para o penúltimo lugar, se o Santa Cruz bater no Internacional neste domingo.

E a Macaca? Ora, o time campineiro voltou a fazer estragos, depois de oscilar rodadas atrás, e trocou de lugar com o Santos no G-4: tem 23 pontos contra 22 do atual campeão paulista.

O problema do Sport nem é de treinador – já mudou muito na temporada. O calo aperta mesmo é na limitação do elenco. O grupo titular tem gabarito para permanecer na Série A. Com esforço, suor, apertado, mas dá. Basta ter alguma baixa ou queda de desempenho de um dos pontos de referência, e está aberto o caminho para o desequilíbrio. E oscilação é o que não falta no Sport.

Incrível como tem dificuldade para manter regularidade. Foi assim contra o Vitória, repetiu-se diante do Palmeiras e foi fatal na visita a Campinas. Largou bem, abriu o marcador cedo (Rogério aos 9 minutos). Mas também logo tomou o empate (William Pottker aos 16). Dali em diante, poucas vezes incomodou o goleiro João Carlos e, sobretudo no segundo tempo, jogou para empatar.

Levou o castigo aos 33, com o gol de Douglas Grolli. E a Ponte foi premiada porque Eduardo Baptista a empurrou pra frente, colocou gente para pressionar. Oswaldo de Oliveira vai queimar as pestanas para tirar o Sport do buraco em que teima de se meter.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.