São Paulo mantém reação

Antero Greco

29 de agosto de 2015 | 23h10

O São Paulo começou a semana tenso e termina relaxado. Para tanto, contribuíram as vitórias na Copa do Brasil (sobre o Ceará) e no Campeonato Brasileiro (os 3 a 0 na Ponte Preta, na noite deste sábado). Dessa maneira, se classificou para as quartas numa competição e assumiu a quarta colocação na noutra. Bom demais para quem acumulava três derrotas seguidas.

A Ponte não foi páreo para um tricolor mais empolgado do que se tem visto nos últimos meses. Desde o início, foi a turma de Juan Carlos Osorio quem tomou a iniciativa no Morumbi. Com pouco mais de 15 minutos havia criado pelo menos duas boas oportunidades, mandou bola na trave e obrigou o goleiro Lomba a defesas importantes.

O trio Michel Bastos, Wilder, Pato funcionou, assim como Ganso desta vez esteve esperto. Tanto que participou da jogada do primeiro gol, marcado por Michel Bastos na fase inicial, fez o segundo (por centímetros, impedido) e ainda distribuiu passes precisos com insistência. A marcação tricolor também não deu brecha para qualquer veleidade ofensiva da Ponte Preta. Para fechar a conta, ainda teve o gol do colombiano Wilder.

Os resultados podem não mostrar um São Paulo embalado, pronto e vacinado. Mas, assim como as derrotas atrapalham e influem no desempenho, da mesma forma as vitórias aliviam. E, quando se esperavam respostas positivas, os jogadores e o treinador as deram – e em campo. O panorama complicado que se desenhava dias atrás deu esplêndida amenizada.

Assim é o esporte e também a vida. Abalos vão e vêm.  O São Paulo carece de regularidade. Quem sabe não venha a partir de agora, no afunilamento da Copa do Brasil e quando o Brasileiro embicar para a reta decisiva?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: