SP reserva expõe a fragilidade do Bota

Antero Greco

15 de maio de 2016 | 13h34

O resultado foi magrinho: 1 a 0 para o São Paulo sobre o Botafogo, com direito a erro de arbitragem nos últimos instantes. Até aí nada de excepcional. Abertura do Brasileiro, fase de ajustes, e muita água para rolar até que sejam completadas as 38 rodadas de praxe. Manhã de domingo, sol, uma certa sonolência.

Preocupa a fragilidade exposta pelo Botafogo, diante dos reservas tricolores. O time de Ricardo Gomes, finalista do Carioca, ainda tem jeito de Série B – sobretudo na limitação técnica. Isso ficou evidente no segundo tempo, quando ficou o tempo todo no campo de defesa do rival e mal conseguiu criar situações de perigo. No duro, mesmo, em nenhum momento esteve perto do empate e mal incomodou o goleiro Renan Ribeiro.

Esse é o ponto que Ricardo e jogadores devem rever. Como é possível ter posse de bola, rondar a área, fazer algumas finalizações, mas sem perigo? Esforço não faltou, claro. Qualidade no passe, sim. Como se viu em diversas jogadas em que Sassá, Ribamar, Salgueiro, Luís Ricardo, Lindoso e outros roubavam a bola, partiam em velocidade, pressionavam e, na hora do ajuste final, o passe saía torto.

Para o São Paulo, o jogo não passou de compromisso protocolar, já que a cabeça está voltada para a Libertadores e o clássico de quarta-feira com o Atlético, em BH. Edgardo Bauza não teve dúvida de mandar a campo só reservas, a fim de preservar o que tem de melhor no elenco. E estes deram conta do recado diante de um Botafogo intimidado.

Só não ficou 2 a 0 o placar final porque a bandeirinha errou ao anular gol de cabeça de Centuriòn quase em cima da hora. A bola foi levantada na área, Kardec estava em impedimento, mas o argentino não. Essa já entra na conta, sempre enorme, dos equívocos do apito na Série A.

Valeu para o treinador argentino movimentar, por exemplo, Lugano, o xerife que nem sempre é titular; para ver Centuriòn, Kardec, Kelvin em ação; para dar espaço ao jovem Lucas Fernandes, o autor do gol. Valeu para inflar um pouco mais o entusiasmo de um elenco que resgatou credibilidade e que mira a semifinal continental.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.