SP x Fla e o empate que atrapalha os dois lados

Antero Greco

01 Outubro 2016 | 19h15

Antigamente, se dizia que 0 a 0 fora de casa era bom resultado. Hoje em dia, a máxima nem sempre vale. Nem para o mandante.

Foi o caso do clássico entre São Paulo e Flamengo, na tarde deste sábado. Ao não saírem do zero no Morumbi, os dois ficaram frustrados, porque veem seus projetos empacados.

Os tricolores continuam a rondar a zona de descenso – para consolo deles tem muita gente pior. Os rubro-negros alcançam o Palmeiras, na pontuação (54 para cada um), mas podem ver a diferença aumentar para três. Para tanto, basta que o líder passe pelo Santa Cruz, na segunda-feira à noite. Mesmo que perca, a turma alviverde não cede o primeiro lugar.

Mas e o futebol apresentado na tarde fria e cinzenta? Ruim, para lá e para cá. O mérito vai para o empenho. Não se pode negar que são-paulinos e flamenguistas correram, dividiram, catimbaram, lutaram. Até aí, normal e obrigação profissional. Isso não resultou em partida repleta de lances de emoção ou de qualidade técnica aceitável.

Para ser exato, as duas melhores oportunidades surgiram só no segundo tempo. Na primeira, Leandro Damião, que havia entrado no lugar de um apagado Guerrero, cabeceou à queima-roupa e Denis defendeu em duas fases. A outra veio com Chavez, que perdeu gol cara a cara, na defesa de Muralha. No mais, trivial variado, com lançamento aqui, cruzamento ali, cobrança de falta e escanteio acolá.

Pouco, bem pouco, para quem tenta sair da draga em que se encontra – no caso do São Paulo. Ou para quem luta pelo título – o Flamengo. A oscilação existe e comprova que não há supertime no Brasileiro. Por isso, a disputa, em cima e embaixo, continua aberta.