Thiago Santos, a cara do Palmeiras que sabe marcar

Antero Greco

17 de julho de 2016 | 18h47

Quando o jogo acabou no friorento Beira-Rio, um jogador sentou-se no gramado, foi arrancando as chuteiras e fez cara de choro, misto de dor e cansaço. Na verdade, o camisa número 21 do Palmeiras tinha a noção exata da missão cumprida: ele não é craque de bola, mas como marcou o time adversário! Como apareceu na partida para impedir que o Inter saísse da má fase!

E conseguiu: graças a Thiago Santos o Palmeiras pôde comemorar o fim de um tabu de 19 anos, venceu o Colorado por 1 a 0, em Porto Alegre, e finalmente mostrou que não é líder por acaso.

Mas o time de Cuca não foi brilhante. No entanto, jogou o suficiente para garantir outro ótimo resultado.

Teve a ventura de fazer o gol da vitória aos 11 minutos do primeiro tempo, em um lance de esperteza do atacante Eric, que usou a sua velocidade e se antecipou a William, tocando sem defesa para o estreante Marcelo Lomba.

Daí em diante, o Inter do também estreante Paulo Roberto Falcão procurou à base da elegância de seu treinador equilibrar a partida, mas não conseguiu. O Palmeiras marcava com perfeição,  cobria os espaços e ainda contabilizou outras duas oportunidades de marcar com Gabriel Jesus (uma delas no comecinho da partida) e outra com Roger Guedes, que arrematou muito fraco.

Esperava-se um Inter mais decidido no segundo tempo.

Falcão voltou com Valdívia. Era o sinal de que o time seria ataque o tempo todo. Mas aí apareceu Thiago Santos, com trabalho impecável. A dedicação dele contagiou os demais. Até os atacantes. Para se ter uma ideia do empenho alviverde, Gabriel Jesus desviou três bolas para escanteio em sequência. E ainda cometeu faltas que não são comuns. Merecia até receber o segundo cartão amarelo e ser expulso.

Apesar da pressão e de ter ficado sem Cleiton Xavier (que deixou o campo machucado), o goleiro Fernando Prass não foi muito acionado. O Inter reclamou de uma falta cometida por Zé Roberto no argentino Ariel, já nos descontos. O árbitro não marcou o pênalti.

Os gaúchos completaram sete partidas sem vencer, com a incrível marca de seis derrotas. Falcão vai ter muito trabalho para acertar o time.

Para o técnico Cuca, que perde Fernando Prass e Gabriel Jesus para a seleção olímpica, é hora de pensar em seus substitutos, certo de que Thiago Santos ganhou divisas de titular absoluto.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.