Trio de ferro ressurge

Antero Greco

06 de dezembro de 2015 | 21h11

Na época em que o futebol aceitava descontração, se convencionou chamar de trio de ferro a referência a Corinthians, Palmeiras e São Paulo. Eles reuniam a maior parte das torcidas e concentravam a conquista de títulos. (Antes do crescimento do Santos.)

Pois bem, o trio de ferro ressurgiu na temporada de 2015 e garantiu presença na edição do ano que vem da Libertadores. Os corintianos comparecem como campeões brasileiros, os palestrinos como vencedores da Copa do Brasil e os tricolores pela quarta colocação na Série A . Têm camisa e não devem nunca ser subestimados.

O destaque da turma mostra, por extensão, a força do futebol paulista. Houve quem falasse em decadência, pela ausência de conquistas no biênio 2013-2014. A fase passou e se retomou a rotina de títulos, como demonstraram as trajetórias de Corinthians e Palmeiras.

Vale relembrar que o Santos foi finalista da Copa do Brasil, terminou em sétimo no Brasileiro. A Ponte Preta não fez feio, com a 11.ª colocação – 51 pontos, assim como o Furacão, o décimo. São Paulo já não tem tantos representantes como em outras ocasiões, mas seu quinteto fez bonito.

Perspectivas? Cedo, ainda, porque com a mudança de ano os elencos sofrerão transformações. Mas, mantida a tendência atual, o Corinthians pode fazer projeções ousadas, desde que mantenha a base. A força do conjunto é boa e vai dar trabalho na Libertadores.

O Palmeiras ganha confiança, mas também precisa de vários ajustes. O São Paulo sofrerá baixas (Rogério Ceni, Luís Fabiano, Pato), mas tem como planejar-se muito melhor do que o fez em 2015.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.