Um goleiro à altura do São Bento

Antero Greco

05 de setembro de 2016 | 12h51

Um goleiro de 1,82m está à altura do São Bento?

Se o nome dele for Rodrigo Viana Conceição, ele está sim. Esse é o novo goleiro que entra para a história do tradicional clube da cidade de Sorocaba que, no próximo dia 14, completa 103 anos.

Isso mesmo, o time da Manchester Paulista é centenário e mais um pouquinho!

Mas não estou aqui falando do alviceleste só por causa do aniversário. No domingo, o São Bento reviveu grandes momentos no estádio Walter Ribeiro, com público de quase 10 mil pessoas. Obteve com a vitória sobre o Itabaiana, por 2 a 0, uma das quatro vagas para a disputa da Série C de 2017. E ainda pode ganhar o título do Brasileiro da Série D. Nas semifinais enfrenta o CSA, enquanto o Volta Redonda pega o Moto Clube.

Para chegar a essa campanha, o São Bento contou com goleiro pra lá de eficiente: Rodrigo Viana, 26 anos, canhoto. Ele começou carreira no Botafogo do Rio e passou por Tupi, de Juiz de Fora, Caldense (onde foi o goleiro menos vazado do Campeonato Mineiro) e Sampaio Correia.

Pois não é que, em 12 jogos, na Série C, Rodrigo sofreu apenas 2s gols?! Isso mesmo! Até agora só 2 gols – o que o leva a ser comparado pelos torcedores mais fanáticos aos grandes goleiros que já vestiram a gloriosa camisa centenária.

Chicão jogou lá e teve seus momentos de glória no Palmeiras, onde foi um dos responsáveis pelo título do Torneio Ramon de Carranza, pegando pênaltis em 1969. O São Bento teve também o paredão Abelha, que depois passou por Flamengo e São Paulo.

Mas o maior de todos continua sendo Walter, que ajudou o São Bento a subir para a elite do futebol paulista, numa disputa memorável com o América de São José do Rio Preto, no torneio de 1962. Era uma muralha. Se bem que o ataque era memorável e formado por Raimundinho, Cabralzinho, Picolé, Bazaninho e Paraná.

Era ruim aquele time do São Bento dirigido por Wilson Francisco Alves?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: