Vasco respira e o Flamengo continua a brincar com a sorte

Antero Greco

29 de setembro de 2010 | 01h25

O Vasco sacudiu a poeira na noite desta terça-feira, com os 3 a 1 no Santos. Com o resultado, foi a 33 pontos e vê o limbo da Série B mais distante. Já o Flamengo continua a brincar com fogo, em repeteco do que aconteceu nos últimos anos – com exceção de 2009. Com futebol fraco e encharcado, empatou com o Goiás no sufoco (1 a 1), em cima da hora, está com 29 pontos e na boca de entrada do grupo dos ameaçados.

Gostei do empenho do Vasco em São Januário. Nas últimas três partidas em casa, só havia empatado – e estava havia seis rodadas sem vencer. Se não teve atuação de primeira qualidade, teve atenção, empenho, aplicação. Zé Roberto, Éder Luís, Felipe foram alguns dos destaques. No primeiro tempo, abriu vantagem de 2 a 0 – gols de Fágner e Felipe (em rebote de pênalti que ele cobrou e Rafael defendeu parcialmente). Na etapa final, levou pressão do Santos, sofreu gol de Danilo, mas no fim respirou aliviado com Éder Luís fechando os 3 a 1.

Neymar foi a referência do Santos, mais uma vez, mas apareceu pouco e apanhou muito. Como já virou rotina. No rodízio de faltas, Jumar se apresentou duas vezes, levou amarelos e foi expulso. O Santos, com 38 pontos, daqui pra frente deve fazer figuração no Campeonato. Brigar pelo terceiro título do ano é sonho ultrapassado.

Vá lá que a chuva em Goiânia atrapalhou – e muito – os dois times, mas Flamengo e Goiás jogaram mais uma vez futebol de segunda linha. Os dois andam perdidos, mais o Fla, pelo peso de sua história e por ser o atual campeão brasileiro. A equipe de Silas, de novo modificada e ainda assim limitada, assustou pouco o Goiás. Tomou o gol no começo do segundo tempo (Juan contra) e se safou do vexame com Deivid aos 45.

O Flamengo acumula 11 empates, 9 derrotas e tem apenas 6 vitórias. O ataque chegou a 25 gols, é dos mais raquíticos da Série A, supera somente os de Grêmio Prudente (21) e Ceará (19). O Goiás é ainda pior. Antepenúltimo, com 25 pontos, ganhou 6 vezes também, mas empatou 7 e perdeu 13. A defesa, com 44 gols, só é menos vazada do que a do Atlético-MG (47). Retrospectos de quem se candidata à Segunda Divisão de 2011.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.