Vem aí o Dia nacional do Corinthians

Antero Greco

24 de fevereiro de 2015 | 20h20

O Brasil tem muitos problemas, mas não nos preocupemos nem percamos o sono. Há quem nos represente para pensar nas soluções. São pessoas eleitas de forma democrática para brigar por melhorias sociais. Para tanto contam com estrutura adequada: assessores, gabinetes, verbas.

Agora, por exemplo, em início de legislatura, ficamos sabendo que os deputados Goulart (PSD-SP) e Andrés Sanchez (PT-SP) apresentaram o projeto de lei 324/2015 que prevê a instituição do Dia do Corinthians, em âmbito nacional, a ser comemorado em 1.º de setembro, data da fundação da centenária, popular e gloriosa agremiação.

O texto defende a proposta sob o argumento de que servirá de homenagem a um clube com origens operárias, que foi o primeiro a aceitar pobres e cuja história se funde com a própria história do esporte brasileiro. Quem tiver a curiosidade de ler, pode acessar: http://bit.ly/1zdKJd5 e conferir.

Nem se discute a importância do Corinthians, assim como a de outros clubes de igual grandeza. Merecem honrarias, carinho, respeito. Precisam acima de tudo ser tratados com seriedade, na forma como são administrados, por exemplo.

O estranho é debater esse tipo de efeméride num parlamento. Já fica estranho quando câmaras de vereadores instituem dia para este ou aquele clube e outras coisas menores. Mas, vá lá, é matéria de âmbito paroquial, bairrista, restrito a um município. Quando o assunto vira tema nacional, sinal de algo está errado. Muito errado. Para isto elegemos deputados federais?

O ex-presidente do Corinthians afirmou que não apresentou ainda nenhum projeto e que só deu apoio ao do colega Goulart. Ok, então peça para tirar o nome dele no documento. Ou foi a Câmara que errou?