Vermelho para Henrique ou a arte de compensar

Antero Greco

22 de junho de 2012 | 14h51

Tapetão é dos recursos mais condenáveis no futebol. Mas há situações em que recorrer ao tribunal esportivo se mostra atitude válida e sensata. E é o que o Palmeiras tem de fazer no caso de Henrique. O cartão vermelho que tomou, na confusão quase no fim do jogo com o Grêmio, foi episódio claro da “lei da compensação”. O árbitro Ricardo Ribeiro havia expulsado dois jogadores do time gaúcho e resolveu dar uma equilibrada ao tirar o capitão palmeirense.

O episódio pode ser esclarecido por imagens resgatadas da televisão. Para recordar: Barcos ia em direção à área, quando sofreu falta de Rondinelli. O juiz considerou que o lance deveria ser punido com vermelho (pra mim, o amarelo bastava) e revoltou os jogadores do Grêmio.

Na sequência – e aí as tevês vacilaram um pouco –, Edilson e outro jogador tricolor acertam Barcos, já caído dentro da área. Henrique, que acompanhava o lance, corre para tirar satisfações ao ver o companheiro sendo chutado. No meio do caminho, leva um tranco de leve de Gilberto Silva, de quem se libera, e chega perto de Edilson. Daí, toma o soco, que resulta na expulsão do agressor.

No rolo todo, o esquentado foi Edilson, ele prejudicou o Grêmio e ainda pode tomar sanção mais dura do tribunal. Rondinelli, não; ele fez falta de jogo, apelou para recurso arriscado, mas sem agredir. E Henrique, como capitão, tratou de proteger Barcos. O juiz, por sinal fraco, teve reação muito comum, que é a de fazer uma ligeira média, para parecer neutro. E não foi.

Ricardo Ribeiro, aliás, faz parte da escola que fecha os olhos para jogadas ríspidas – e houve muitas no clássico desta quinta-feira – e mostra zelo excessivo na hora da comemoração. Não vacilou meio segundo para mostrar amarelo para Valdivia, que tirou a camisa na hora de festejar o gol da classificação. Foi um desabafo por tudo que sofreu recentemente.

Sei, sei, os legalistas dirão que é recomendação da Fifa. Mas, acima de tudo, a entidade recomenda que se coíba a violência – e nesse aspecto sua senhoria falhou. Como falhou na expulsão de Henrique.

Tudo o que sabemos sobre:

Copa do BrasilGrêmioHenriquePalmeiras

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.