Vitória clareia o Palmeiras

Antero Greco

31 de março de 2016 | 23h08

Era o jogo em que só uma vitória interessava. Nem jogar bem, nem dar espetáculo.

Era vencer ou mergulhar no buraco negro do futebol: e o Rio Claro, um dos piores do Campeonato Paulista era o adversário ideal.

E foi mesmo: no Pacaembu, o Palmeiras ganhou de 3 a 0, fez dois gols de cabeça e um outro em que o menino Gabriel Jesus usou a cabeça, o seu futebol inteligente e veloz, para se livrar da zaga adversária e marcar um golaço.

O futebol é tão imprevisível que um time que vinha de quatro derrotas consecutivas sob o comando de Cuca pode agora se encher de moral. Basta que domingo passe pelo afinado Corinthians de Tite. Apesar de ainda correr risco de não se classificar no Paulista e na Libertadores, pode renascer.

É tudo questão de detalhes e da tal da sorte: em jogos anteriores, mesmo não jogando bem, o Palmeiras desperdiçava as chances que criava. Contra o Rio Claro parecia que a mandinga continuaria: gols perdidos, uma boa exibição do goleiro adversário Lucas e um lance de susto incrível, quando o menino Gabriel Jesus se chocou com o zagueiro do Rio Claro e caiu desacordado no gramado.

Mas se recuperou.

O susto passou e uma cabeçada de Alecsandro, aos 44 minutos do primeiro tempo, começou a mudar o panorama. A bola bateu no travessão, mas entrou: 1 a 0.

Depois, veio a obra-prima de Gabriel Jesus: arrancou do meio campo, passou por três adversários e finalizou com a perfeição dos craques. E no finalzinho da partida uma nova cabeçada. Agora de Rafael Marques. Ela bateu na trave. E novamente foi para o fundo das redes: 3 a 0.

O Rio Claro já está rebaixado. E o Palmeiras pode se classificar para a fase seguinte, se fizer a parte dele.

Os deuses do futebol olharam para o time de Cuca, nesta rodada em que todos os adversários do Grupo B perderam pontos.

(Com colaboração de Roberto Salim.)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.