Vasco dá dó. Atlético-MG se reanima

Antero Greco

06 de setembro de 2015 | 02h29

O torcedor do Vasco sentiu que o desastre é inevitável. Tanto que praticamente abandonou o time no clássico com o Atlético-MG, na noite deste sábado, no Maracanã. Pouco mais de 8 mil pessoas foram ao estádio – e assim mesmo boa parte delas era de simpatizantes do time mineiro. Afinal, era tragédia anunciada para o time da casa, que perdeu por 2 a 1, sofreu a 16.ª derrota em 23 rodadas e atola sempre mais na lanterna do Brasileiro.

O Atlético precisou só de meio tempo para construir o resultado. Antes do intervalo, teve a vantagem de 2 a 0, com gols de Lucas Pratto (pênalti bem marcado) e Dattolo. O Vasco até tratou de ser mais precavido, correu, lutou, segurou o adversário. Esforço inútil, pois a cada apresentação vê diminuir a confiança. Nada dá certo – e não é por falta de vontade.

O Galo sentiu a marcação, chutou pouco, mas foi preciso nas chances que criou. Mesmo com baixas, a equipe de Levir Culpi soube impor-se e só se preocupou com decisão da arbitragem no pênalti (questionável) de Dattolo sobre Bruno Ferreira e cobrado por Nenê.

Nem o gol restituiu ânimo aos vascaínos. Os 20 minutos finais foram de agonia, de busca pelo empate na correria e sem coordenação. Melhor para o Atlético, que só controlou a ansiedade do rival e soube cadenciar quando tinha a bola.

O resultado recoloca a equipe mineira na rota do título. Neste momento, a diferença para o Corinthians voltou a cair para quatro pontos (49 a 45). Resta torcer por derrota alvinegra neste domingo, no clássico com o Palmeiras. O Corinthians, em seguida, recebe o Grêmio, enquanto o Atlético jogará no meio de semana contra o Avaí, em casa. Não é impossível que a distância encurte para um ponto apenas.

O Brasileiro continua aberto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.