Viva o Equador do senhor Moacir!

Antero Greco

17 Novembro 2015 | 20h51

Viva o Equador!

O Equador do futebol. Líder das Eliminatórias Sul-americanas da Copa de 2018, com 12 pontos, quatro vitórias. A mais recente sobre a Venezuela, no campo do rival, por 3 a 1 , nesta terça-feira.

No primeiro tempo os equatorianos já venciam por 2 a 0, gols de Martinez e Montero. Caicedo aumentou com um golaço de cabeça e Martinez diminuiu, no fim, para os venezuelanos.

Viva o Equador do seu Moacir, brasileiro que mora em Guayaquil. Como! Quem é seu Moacir?!

Moacir Claudino Pinto, ou Moacir apenas, reserva de Didi no Mundial de 1958, era um dos astros do Flamengo convocado por Vicente Feola, junto com Joel, Dida e Zagalo.

Seu Moacir, meia que jogou no River Plate, no Peñarol e no Barcelona de Guayaquil, onde mora até hoje. Que foi técnico de base do Barcelona equatoriano. Que foi técnico das crianças do time do exército da fronteira equatoriana, na cinematográfica cidade de Loja.

Será que podemos dizer que seu Moacir influenciou nesse futebol que os equatorianos jogam hoje? Moacir, tem 79 anos, é casado no Equador, tem três filhos e histórias maravilhosas para contar.

A melhor delas: após a final da Copa de 58, na Suécia, a seleção brasileira foi convidada para uma recepção de festejos do título conquistado. Todo mundo queria ver Pelé. E todo mundo chegava perto do seu Moacir e perguntava: “Pelé?”

Ele negou que era o Rei uma… duas… três… cem vezes. Mas eram mulheres lindíssimas que perguntavam. Insistiam, passavam a mão em seu braço para ver se saía tinta. Teve uma hora que Moacir não resistiu.  “Em Estocolmo, fui Pelé a noite inteira”.

(Com Roberto Salim.)