Zebra combina com domingo de decisão?

Antero Greco

05 de dezembro de 2010 | 02h41

O Campeonato Brasileiro termina logo mais, depois de 38 rodadas, muitas surpresas, várias polêmicas, paralisação para a Copa do Mundo e algumas alternâncias na liderança. O trio que ainda tem chance de fazer a festa pelo título encara adversários que decepcionaram na competição. Todos verdes, por sinal. Goiás, Guarani e Palmeiras terão o poder de definir o campeão da temporada, mas não conseguem livrar-se da condição de zebras.

O Guarani entra em campo já rebaixado, depois de um ano desastroso. O ataque é frágil, a defesa está entre as mais vazadas da Série A, o retrospecto é pobre. Mesmo assim, parece ser o mais animado dos três alviverdes. A promessa é a de despedir-se da elite de forma impecável. Será? Não é o que deseja a torcida, que pressionou os jogadores para entregarem o ouro diante do Fluminense. O tricolor carioca, líder com méritos, é também o favorito no duelo. Mas Muricy Ramalho, que não é novato e no ano passado levou baita tombo com o Palmeiras, tomou precauções para que não ocorra um “Engenhazo” neste domingo.

O Goiás não está nem aí para o Brasileiro. Também despachado para a Segundona se preocupa apenas com a possibilidade de conquistar a Sul-Americana, no meio da semana, diante do Independiente. O verde goiano leva para a Argentina os 2 a 0 do confronto de ida e manda a campo, no Serra Dourado, um time recheado de juvenis. Na ordem natural das coisas, não será páreo para o Corinthians, que precisa ganhar e torce por tropeço do Flu.

O Palmeiras é outro que abandonou qualquer veleidade – aliás, nem sei se em algum momento esteve ligado no campeonato. Depois de amargar eliminação na Sul-Americana, perdeu o rumo de vez e, de quebra, na semana passada foi um time com zero de apetite na derrota por 2 a 1 para o Flu (a exceção foi o goleiro Deola). Felipão antecipou férias para mais de uma dezena de jogadores e vai com um mistão enfrentar o Cruzeiro, em Minas. O Palestra mineiro precisa ganhar e ainda torce por tombos de Flu e Corinthians.

A tarefa mais complicada, na teoria, é portanto do Cruzeiro, pois depende de duas zebras soltas pelos gramados. Uma já é difícil; duas, então… E elas não combinam com domingo de final. Pra ser sincero, não acredito em nenhuma zebra, como não acho que existam bruxas nem tenho superstições. Em todo caso, não custa nada torcedores de Flu, Corinthians e Cruzeiro usaram pé-de-pato, trevo de quatro folhas, raminhos de arruda, sal grosso…

Bom domingo a todos, embora apenas uma torcida fará festa legítima. Outras poderão vibrar, mas apenas por tabela e por dor de cotovelo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.