Aproveite a promoção: esposa Zulu por apenas dez vacas

Estadão

28 de junho de 2010 | 12h42

Maradona dá uma forcinha para o jogador Higuain

Maradona dá uma forcinha para o jogador Higuain

Nada como bater papo com um taxista para entender como funciona um país. Desta vez, porém, a conversa não foi nem com Victor nem com Jealous. O motorista que me levou para um passeio em Newtown, centro de Joburgo, atende pelo singelo nome de Lovemore. Quando ele falou a primeira vez, achei que ele estava se declarando para mim. Pensei que o cara tinha se apaixonado por mim à primeira vista, já que ele se apresentou no momento em que entrei no carro. Só fui entender que era o nome dele um tempinho depois, quando vi que ele estava começando a me olhar feio.

Lovemore é da etnia Zulu, portanto, pode ter mais de uma esposa. Pode, mas não tem. Acha que é muita despesa. Prefere ter três namoradas, sem a mulher saber. Começamos a conversar sobre o assunto e ele me explicou como as coisas funcionam por aqui. Um casal namora, etc, tudo como no Brasil ou em qualquer outro país. Na hora de casar, o noivo tem que oferecer um dote à família da noiva. Geralmente esse dote é medido em vacas, às vezes como valor estimado, às vezes literalmente pago em vacas, mesmo. Uma noiva vale dez vacas; quinze, se pertencer à família real dos Zulus.

Se imaginarmos que uma vaca, segundo Lovemore, custa cinco mil rands, isso significa que uma esposa custa 50 mil rands, ou cerca de R$ 11 mil. Lovemore diz que esse valor pode cair pela metade, dependendo da negociação entre o noivo e a família da noiva. E as vacas não precisam ser pagas no dia do casamento, o noivo pode parcelá-las ao longo do relacionamento. Se o casal se separar, inclusive, o noivo tem a opção de não pagar o que falta. Mas aí ele pode ficar queimado no mercado, se é que você me entende.

À tarde, ligo para Juanjo, um mexicano que trabablhou com Manoel Baião, meu amigo no Brasil. Estou para tomar uma cerveza (ou tequila, se estiver frio) com Juanjo desde que cheguei a Joburgo, mas as agendas ainda não haviam permitido o encontro. Como México e Argentina decidem uma vaga nas quartas de final, ligo para tentar combinar de ver o jogo juntos. Juanjo me diz que tem um ingresso sobrando. Arriba!

O caminho até o Soccer City é divertido, apesar de Juanjo insistir em ouvir música típica mexicana durante uma hora e meia. Não posso reclamar, o cara é muito gente fina. Pensei em disfarçar e colocar os tampões de ouvido que trouxe para me proteger das vuvuzelas, mas desisti porque isso me impediria de ouvi-lo, e isso poderia soar meio antipático.

México e Argentina. Juanjo me pede para torcer para o México, como se fosse necessário pedir a um brasileiro para torcer contra a Argentina. Minha torcida, no entanto, não adianta muito: o time de Maradona faz um gol, faz outro, e outro. O México ainda desconta no final, mas o jogo termina 3 a 1 para a Argentina. Com isso, o convite para comemorarmos a eventual vitória do México com tequila e cerveza é cancelado. Maldito Maradona.

Desanimado, Juanjo diz que tem que voltar para casa porque sua esposa está lhe esperando. Coitado, a Copa do Mundo acabou cedo para ele. Até cogitei fazer uma piadinha para animá-lo: pensei em perguntar quantas vacas ele tinha pago pelo casamento. Mas desisto, em primeiro lugar, porque ele não é zulu. Em segundo, porque não se brinca com os sentimentos de um fanático por futebol cuja seleção acaba de ser eliminada. Hasta la vista, México.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.