Juiz dá uma mãozinha para o Brasil. Aliás, duas

Estadão

21 de junho de 2010 | 08h49

Brasil 3 X 1 Costa do Marfim: Vitória classifica o Brasil para a próxima fase

Brasil 3 X 1 Costa do Marfim: Vitória classifica o Brasil para a próxima fase

Dia de jogo do Brasil é sempre igual: passamos o dia no estádio preparando a cobertura e assistindo aos outros jogos do dia. Um deles é Paraguai X Eslováquia, um jogo que não empolga nem os torcedores dos próprios países, quanto mais eu. Aproveito para escrever, talvez seja por isso que os posts têm saído tão longos. São tantas coisas novas que as palavras brotam como flores carnívoras africanas (existem flores carnívoras africanas?)

Brasil e Costa do Marfim é um jogo interessante por várias razões, nenhum delas destacada pelo relatório de estatísticas distribuído pela FIFA. O documento diz, por exemplo, que ‘as duas seleções nunca se encontraram em uma Copa do Mundo’. E daí? Estão se encontrando agora, pronto. ‘O Brasil nunca perdeu para uma seleção africana’. E daí? Podem perder hoje, ou amanhã, ou nunca. E pronto. Só porque uma coisa nunca aconteceu, não quer dizer que ela não vai acontecer. Estatística aplicada ao futebol é como estatística aplicada à arte: só vale para ilustrar catálogos.

Outro número bem legal: 63% dos 203 gols da Seleção Brasileira em Copas do Mundo foram marcados no segundo tempo. E daí? E daí que 37% foram marcados no primeiro tempo. Minha leitura: os gols podem sair no segundo tempo, mas também podem sair no primeiro tempo. Ou podem não sair, claro.
E por aí vai.

Gol! Luis Fabiano, para o Brasil! Passe de Kaká, o cara enfiou uma porrada e fez um golaço. Apesar de ele ser são-paulino, parabéns.

(Parênteses: Está vendo? Agora a estatística mostra que dos 204 gols da Seleção, 39% foram feitos no primeiro tempo… peraí, 39%, tem certeza? Bom, se 37% de 203 gols correspondiam a X, então… deixa pra lá.)

Fim do primeiro teempo, 1 a 0 Brasil. Tá bom. Só para constar, outro dado que a FIFA distribui para os jornalistas é a lista com os aniversariantes do dia. Outra bobagem: por que eu gostaria de saber se o cara faz aniversário? Por acaso a FIFA está achando que a gente deveria mandar presentes para eles? A FIFA que mande, já que a entidade lucrou apenas U$ 3,2 bilhões com essa Copa na África…

Comecinho do segundo tempo… gol do Brasil! Mais uma vez, Luis Fabiano! E um golaço, onde ele deu dois chapéus nos zagueiros! Peraí, deixa eu ver o replay. Putz, ele levou o primeiro zagueiro com a mão… e o segundo também! Uau, mas é futebol ou vôlei? É meio chato ganhar assim, porque vamos ter que aguentar os argentinos reclamarem disso a vida inteira. Vamos dizer que o árbitro deu uma mãozinha para o Brasil. A partir de agora, o atacante do Brasil tem um novo apelido: Juiz Fabiano.

Gol! Do Brasil! Kaká passa para Elano, que põe para dentro. 3 a 0 tá bom. Ops! Gol da Costa do Marfim! E do Drogba, o melhor jogador deles. Dizem que o Drogba colocou o ‘B’ no nome apenas para passar no exame anti-doping. Pode ser. Mas temos que concordar: esse Drogba é um crack.

Pô, o jogo ficou meio violento. Cartão vermelho para o Kaká? Não precisava. Será que o Kaká queria fazer um safári e ainda não tinha tido tempo?

3 a 1, três pontos a mais. E a classificação da Seleção Brasileira para as oitavas está garantida. Quantos gols com dois chapéus e duas mãos já aconteceram em Copas do Mundo? Aposto que essa estatística a FIFA não vai distribuir.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.