As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Alonso é o ‘time’ da virada?

Tércio Braga

08 de outubro de 2007 | 11h47

Assim como aconteceu no ano passado, a Fórmula 1 pode ter uma decisão surpreendente, analisando os resultados recentes. Em 2006, quando muitos apostavam no título de Michael Schumacher, que parecia bem encaminhado até a penúltima prova, a Ferrari do alemão entregou os pontos e abriu caminho para Fernando Alonso levar o bi, aqui no Brasil.

No último domingo, o inglês deixou passar a sua primeira ‘match race’ – corrida que poderia lhe garantir o título. Agora, mais uma vez no Brasil, Alonso pode promover uma nova virada, assim como aconteceu no ano passado.

Em 2006, Alonso e Schumacher chegaram empatados ao GP do Japão com 116 pontos. O alemão vinha em primeiro na corrida – havia vencido as duas provas anteriores e parecia caminhar tranqüilo para a terceira vitória seguida, quando o motor de sua Ferrari quebrou – o que não acontecia há muitos anos. O espanhol vinha em segundo, assumiu a ponta, venceu e, aí foi a vez dele, praticamente garantiu o título.

No Brasil, Schumacher precisava de um milagre para ser campeão. Tinha de vencer e torcer para que Alonso não pontuasse. Largando em 10.º, o alemão foi agressivo a prova toda, mas se atrapalhou na própria vontade: furou o pneu numa disputa com Giancarlo Fisichella e caiu para último. Fez corrida de recuperação, deu show, mas terminou em sétimo. Alonso largou em quarto, passeou, terminou em segundo e ficou com o título.

Agora, as coisas estão um pouco diferentes, é claro. Alonso está atrás no campeonato – tem 103 pontos, contra 107 do líder Hamilton – e não conta com o apoio da equipe – ele era venerado na Renault no ano passado.

No entanto, a situação é bem parecida. Hamilton vinha para ser campeão na corrida anterior, fez bobagem e deu a chance para que Alonso o vencesse na corrida final. O inglês precisa ser ‘só’ segundo, mas terá cabeça para isto na corrida final?

Não dá para esquecer o Kimi Raikkonen, mas este é um assunto para outro post.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: