Aplausos aos favoritos!
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Aplausos aos favoritos!

miltonpazzi

15 de junho de 2009 | 21h34

A Copa das Confederações começou com Brasil, Itália e Espanha fazendo o que era esperado: vencendo. E vitórias dignas de aplausos.

Imagino que você deve se perguntar ‘como aplaudir a seleção brasileira, que estava empatando por três gols com o Egito depois de ter vantagem no placar?’ Digo que merece o aplauso pelo bom futebol apresentado até então e por ter conseguido vencer mesmo com estes problemas. Achou um pênalti no fim? Pode ser. Mas não se esqueça que se o defensor egípcio não põe a mão na bola esta entrava e era… 4 a 3, do mesmo jeito.

Torcedor aplaude gol na Copa das ConfederaçõesA mesma história vale para a Espanha. Um baile sobre a fraquíssima Nova Zelândia. David Villa é mesmo um grande jogador e Fernando Torres faz gols de categoria. Aplausos efusivos por salvar o domingo depois do horroroso 0 a 0 do jogo de abertura entre África do Sul e Iraque. Péssimo jogo, 90 minutos arrastados.

Os mesmos aplausos vão para a Itália. Ganhou bem dos Estados Unidos por 3 a 1 e tem uma revelação que pode ser aquilo que tanto tem faltado à seleção: um artilheiro. Esse é Rossi, que nem joga mais no país do ‘calcio’, mas sim no Manchester United. É verdade que sofreu, saiu perdendo com um jogador a mais em campo. Mas merece os aplausos pelo bom resultado. A seleção norte-americana é a mesma de sempre. E pode incomodar.

GOL A FAVOR
Zidan, do EgitoZidan, do Egito
. É piada recorrente e não das melhores, mas inevitável. Outro ‘Zidan(e)’ atrapalhou a vida do Brasil (como o craque francês, agora diretor do Real Madrid, que tirou a seleção nacional das Copas de 1998 e 2006).

GOL CONTRA
Joel SantanaJoel Santana e Jairo Leal
(auxiliar) batendo boca com Bora Milutinovic e seu auxiliar no vestiário. Não se sabe o que falaram, mas os boatos de que o brasileiro cairá e o sérvio será seu substituto na África do Sul foram fortes nesta segunda.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.