As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Aulas de direção

Luiz Zanin Oricchio

17 de junho de 2006 | 17h37

Os motoristas da Alemanha param quando vêem o sinal vermelho, sempre. Mesmo com o verde para eles, esperam se alguém ainda não terminou de atravessar a rua. E nem ficam pondo o pé no acelerador para assustar e eapressar os pedestres, como é comum nos semáforos de São Paulo.
Aqui, eles ainda não perceberam, como tão bem ensinam os paulistanos, que a seta só deve ser usada na prova do Detran. E a buzina então… Foi fabricada?! É obrigatória em todo automóvel?! Então usa. Os alemães, no entanto, só buzinam em último caso.
Ontem, ao me deixar no hotel em Berlim, o taxista quis evitar um retorno distante e se viu obrigado a fazer uma manobra irregular. Fechou quatro carros. Esperei buzinadas, xingamentos, ameaças, objetos arremessados, mas não ouvi nada. Pelo contrário, nem cara feia fizeram os ocupantes dos outros veículos.
Para ir ao meu primeiro jogo no Mundial, em Leipzig, o taxista entrou em local não permitido. Veio o guarda, o advertiu, o motorista se explicou e ficou tudo por isso mesmo. Se entenderam com uma facilidade absurda. Nada de multa, alteração de voz, coisa alguma. Faltaram só dizer que se amavam na despedida.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.