As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Carnaval na NBA

Ricardo Lombardi

01 de março de 2007 | 10h08

Os romanos acreditavam que fevereiro dava azar, aliás, por isso ele só tem 28 dias. Porém, para os brasileiros na NBA, bem que poderia ter 32. Leandrinho, Anderson Varejão e Nenê brilharam neste mês em suas equipes: Phoenix Suns, Cleveland Cavaliers e Denver Nuggets, respectivamente.

Entre os brazucas que jogam na Liga, Leandrinho é o que tem uma situação mais definida. Tido como um dos melhores ‘sexto jogador’ (um tipo de reserva de luxo, que está no banco, mas tem a total confiança do técnico de que entra e muitas vezes resolve uma partida), o armador/ala-armador do Suns terminou fevereiro com belas atuações que renderam a ele 19,3 pontos de média – com 47,5% de acertos em arremessos de quadra e 57,5% em lances de 3 pontos.

Pelo visto a boa relação que tem com o armador titular, o canadense Steve Nash, vem dando melhores resultados a cada ano. E o motivo do entrosamento, por incrível que pareça, é o futebol. Nash é apaixonado pelo nobre esporte bretão e esse amor, de acordo com o próprio Leandrinho, ajudou a quebrar o gelo.

Mas não é só o gelo que Leandrinho vem quebrando. A cada jogo o brasileiro acaba com as barreiras que enfrentava quando chegou a Phoenix e neste mês, ajudado por uma suspensão de Raja Bell, ala-armador titular, assumiu a titularidade da posição em algumas partidas e na campanha de oito vitórias e cinco derrota do Suns, fez uma média de 4,4 assistências e 3,2 rebotes.

Se bem que falando em aproveitar a oportunidade, o ala-pivô Anderson Varejão agarrou a sua com unhas e dentes. Após a contusão do pivô lituano Zydrunas Ilgauskas, o cabeludo Varejão assumiu a posição e não decepcionou nenhum fã do Cleveland Cavaliers. Ele fechou este mês com médias de 8,3 rebotes, 7,8 pontos (49,3% de acertos de arremessos de quadra), 1,8 roubos de bola e 1 toco. Nada mal para o garoto de Colatina(ES).

Já o mais antigo da turma na Liga, o ala-pivô Nenê também teve de se acostumar a jogar mais no garrafão substituindo o contundido pivô Marcus Camby no Denver Nuggets. Atuando ao Lado de Carmelo Anthony e Allen Iverson, o estilo de jogo do time não favorece muito o brasileiro, mas ele vem fazendo bonito, com 11,1 pontos de média em fevereiro. Aliás, fechou o mês com chave de ouro. Nesta quarta-feira o Nuggets bateu o Orlando Magic por 111 a 101 e Nenê conseguiu seu recorde de assistências na temporada: 4. Mas não ficou só por aí. Marcou 12 pontos, pegou 8 rebotes e deu 2 tocos.

Sem patriotismos, em fevereiro, os brasileiros fizeram o carnaval nas quadras da NBA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.