As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Copa São Paulo Jr: o quê valeu a pena?

miltonpazzi

25 de janeiro de 2008 | 13h20

A conquista do Figueirense, campeão da Copa São Paulo de Juniores nesta sexta-feira pela manhã com a vitória por 2 a 0 sobre o Rio Branco, foi justa. Jogou melhor e a taça vai para Florianópolis pela primeira vez. A esperança de todos os que gostam de futebol, obviamente, é que este time campeão não desapareça como tantos outros, o que é só uma torcida, pois a prática não é assim – e não é culpa da lei, tema para outro post, em outra oportunidade.

Analisando os números finais da Copa, fica claro que a fase eliminatória é o que valeu a pena. Ou seja, reitero, a primeira fase com 88 times não acrescentou nada útil. Foram marcados 590 gols, em 163 jogos, com média de 3,6 gol por partida, somando tudo. Se considerássemos só a fase final, seriam 90 gols em 31 jogos, com média de 2,9 gols por partida. Só para comparar, o Campeonato Brasileiro 2008 teve média de 2,76. Ou seja, números dentro da média.

A fase final teve menos gols por ter jogos mais equilibrados, obviamente. E além de jogos sonolentos – como qualquer campeonato tem – teve jogos emocionantes, como Santos 3 x 3 Internacional, Vasco 2 x 3 União São João, e por aí vai. Ao contrário do que alguns avaliam, a diminuição do número de clubes no torneio não significa tirar times de menor tradição. Pelo contrário. É qualificar tecnicamente, que é o que temos de buscar sempre.

As goleadas de 12, 11, 7 e por aí vai da primeira fase só serviram para prejudicar os garotos que, como alguns disseram, “tem de ter chance para mostrarem seu futebol, uma vitrine, e etc.”. Você contrataria algum destes jogadores? Eu duvido. E a avaliação naqueles três jogos não serve para nada. Só para o agente deles dizer que o garoto atuou na Copinha.

Parabéns ao campeão Figueirense, ao vice Rio Branco e a todos os outros times pelo bom torneio. Revelações? É tanta gente que jogou que fica difícil apontar. Dê sua sugestão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.