As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Crítica por não falar outros idiomas faz Luxemburgo bater boca na tevê

Treinador foi bombardeado no "Bem Amigos!" ao comentar sobre sucesso de técnicos argentinos

Estadão Esportes

05 Outubro 2016 | 11h18

No mercado desde que foi demitido do Tianjin Quanjin, clube da segunda divisão da China, o técnico Vanderlei Luxemburgo tem participado de alguns programas de tevê e, na última segunda-feira, viralizou nas redes sociais. O motivo: um bate-boca homérico com os participantes do programa “Bem Amigos!”

O tema era o sucesso dos técnicos argentinos na Europa e nas seleções sul-americanas. Luxemburgo começou: “Não tem tanto argentino assim…”

Foi corrigido, sendo lembrado de Diego Simeone, técnico com um trabalho excelente no Atlético de Madrid, e dos seis treinadores que comandam seleções nas Eliminatórias Sul-Americanas.

Cleber Machado, então, pergunta se o motivo do insucesso dos brasileiros é, única e exclusivamente, o idioma. “Sim, com certeza”, responde Luxemburgo.

Confira o vídeo:

Galvão Bueno então comenta que falar só português “é falha dos nossos técnicos”, o que irrita Luxemburgo. “Não, isso é falha do Brasil. Quem no Brasil fala dois idiomas?”

Sentado próxima ao treinador, Cleber Machado rebate: “Vai estudar, Vanderlei.”

Luxemburgo continua procurando se defender, mas o ex-jogador Caio entra na conversa para, mais uma vez, criticar o treinador. “Acho que é uma obrigação de vocês (treinadores). Se é um problema do país, vocês hoje têm condição financeira de pagar um professor particular e falar mais de um idioma”, comenta.

Indignado, o técnico começa a questionar os participantes do programa sobre quantos idiomas cada um fala. Galvão responder: “Eu, mal, falo cinco. É minha obrigação”.

Cleber Machado lembra Guardiola, que, antes de ir trabalhar no Bayern de Munique, fez questão de aproveitar o ano sabático na carreira para aprender alemão.

Galvão cita também Luiz Felipe Scolari, que sofreu bastante no Chelsea por não dominar o idioma. “Ele era até ridicularizado no vestiário pelos jogadores ingleses”, afirmou o apresentador, que precisou até interromper o programa porque todos queriam falar ao mesmo tempo.