As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Dizem tudo

Luiz Zanin Oricchio

09 de junho de 2006 | 21h50

Os alemães têm uma particularidade que me impressionou logo no primeiro dia que cobri a seleção local: se você perguntar, eles respondem. Parece banal, estranha essa afirmação, mas quem conhece razoavelmente a forma como os entrevistados do Brasil se comportam com a imprensa, sabe do que estou falando.
O auxiliar-técnico Joachim Low, da seleção da Alemanha, antes que qualquer um perguntasse sobre a ausência de Ballack no treino de segunda-feira, escancarou na terça que o capitão da equipe tinha um problema sério na panturrilha. Klinsmann, na quinta, foi além e abriu o jogo: ele não jogaria a estréia. Os repórteres pediam mais detalhes e, pásmem, ele dava. Cobravam algo e ele nem cara feia fazia.
Se fosse em alguns clubes do Brasil, dirigentes, técnicos e assessores de imprensa estariam negando até agora, depois do jogo, que Ballack tivesse se machucado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.