Isca, brincadeira, inocência ou bobeada da Nova Zelândia?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Isca, brincadeira, inocência ou bobeada da Nova Zelândia?

miltonpazzi

16 de junho de 2009 | 16h44

Quero acreditar que seja uma brincadeira, uma isca. Mas também penso que pode ser inocência. Este quadro abaixo estava na beira do campo do estádio de Rustenburg, na África do Sul, no treino da Nova Zelândia. E mostra o posicionamento e as mudanças do time titular para o decisivo – para eles – jogo contra a África do Sul, nesta quarta.

A escalação e o posicionamento tático da Nova Zelândia

A imagem já rodou o mundo, é de Halden Krog, da EFE. E chegará nas mãos do técnico Joel Santana. O time da esquerda é a seleção neozelandesa, com as mudanças que o técnico Ricki Herbert deve fazer, pois precisa ganhar. E o da direita, amarelo, com seus reservas, seria a África do Sul, com o posicionamento do jogo de estreia na Copa das Confederações. É só ver pelos números dos botões.

Entenda assim o time da África do Sul (sem contar o goleiro): 12 – Modise, 2 – Gaxa, 7 – Davids e 6 – Sibaya; (sem número) – Mashego (na verdade, 21), 9 – Mphela, 3 – Masilela, 10 – Pienaar e 1 – Modise (na verdade, o 12); 8 – Fanteni (18).

E a Nova Zelândia (também sem o goleiro): 1 – Mulligan, 2 – Iuan, 3 – James, 5 – Bertos, 8 – Boyens, 9 – Killen, 10 – Tony, 11 – Simon, 12 – Jeza, (sem número) – Smeltz.

Pela inocência do futebol do time da Nova Zelândia nos 5 a 0 tomados contra a Espanha, não duvidaria que seja uma bobeada. Mas, pelo histórico do futebol, tem a malandragem. Não sei. Ainda acho que tudo é possível e a melhor coisa que essa seleção da Oceania tem é seu uniforme, um dos mais bonitos do mundo – não só o conjunto branco, como a camisa de goleiro, verde, além da histórica camisa da seleção de rúgbi, os “All Blacks”. É aguardar e conferir.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.