O ‘jeitinho do Morumbi’ para levar a abertura da Copa 2014
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O ‘jeitinho do Morumbi’ para levar a abertura da Copa 2014

André Rigue

21 de setembro de 2009 | 20h29

morumbicopa

A Fifa está irredutível. No atual projeto de reforma do Morumbi, a cidade de São Paulo não receberá a abertura da Copa, nem jogos de maior importância como as semifinais. De acordo com a entidade, o estádio do São Paulo teria uma capacidade pequena de público – abaixo de 65 mil.

O São Paulo deve recorrer ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para conseguir os valores necessários para a reforma, cujo total está em cerca de R$ 250 milhões – os valores seriam conseguidos com juros de 8% a 8,5% ao ano, e o clube teria três anos de carência e um prazo total de dez anos para pagar.

Quem está feliz com as críticas da Fifa ao Morumbi são as cidades de Belo Horizonte, Porto Alegre e Brasília, que também brigam para receber a abertura.

O problema é que São Paulo tem grande valor econômico. Receber apenas jogos menores da Copa 2014 seria desastroso para a cidade e o Brasil.

A tentativa agora é convencer a Fifa a “encaixar” a abertura no Morumbi, mesmo com todas as críticas. Seria uma Copa do “jeitinho brasileiro”, assim como a África do Sul fará seu Mundial no “jeitinho africano”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.