Pelo fim da primeira fase da Copa São Paulo Jr.
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Pelo fim da primeira fase da Copa São Paulo Jr.

miltonpazzi

08 de janeiro de 2008 | 17h45

Reprodução/AE A primeira fase da Copa São Paulo de Juniores é a prova maior do exagero que a Federação Paulista de Futebol comete. Todos gostamos de gols, muitos gols, mas os 12 a 1 do Grêmio contra o Ypiranga-PE, 7 a 0 do Internacional sobre o Marília, 8 a 0 do Rio Branco (de Americana) sobre o Náutico-RR, Rio Claro 6 a 1 no Americano-MA e por aí vai, é totalmente fora de contexto.

Nenhum jogo decente de um campeonato decente tem um volume de gols como este. A FPF erra ao colocar 88 times em campo. O alfabeto para os grupos já está quase acabando… O duro é que a entidade está matando o torneio com isso, pois de que adianta esse monte de gols? Só para estatística. Não revela ninguém – Rafael Martins, do Grêmio, que fez os sete, pode deslanchar na carreira, mas pode também naufragar e virar motivo de piada – e não fortalece nenhum time. Só cria ilusões, como já vimos em anos anteriores (vide o Corinthians, ano passado, que classificou invicto e caiu na segunda fase rapidamente).

A justificativa da existência do torneio é revelar jogadores e dar uma oportunidade para que sejam vistos sem os holofotes dos profissionais. Pois bem: do jeito que está, ninguém vê nada. Ao invés da política que predomina hoje – ou qual seria o motivo de termos tantos times de tantos lugares? Ajudar empresários? – a FPF deveria pensar mesmo é na bola rolando. Isso é o que vale. E é o que gostamos de ver.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.